Retrospectiva 2020
Arte/iG
Retrospectiva 2020

O segundo ano de mandato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi marcado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2). O primeiro caso da doença no Brasil foi detectado no dia 26 de fevereiro  e, a partir de março, as medidas de prevenção começaram a ficar mais rígidas.

Deste ponto em diante, o país registrou um número expressivo de casos de infecção pela Covid-19 , enfrentou dificuldades econômicas , acompanhou os desentendimentos entre o governo federal e os governos estaduais e viu o comando do Ministério da Saúde mudar três vezes . Confira abaixo alguns dos principais momentos destacados pelo iG .

"Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar, tá ok?" 

bolsonaro
ImagoImages
Retrospectiva 2020: gestão do presidente contou com trocas no Ministério da Saúde, auxílio emergencial e guerra das vacinas

Em março , o presidente já adotava  a postura de negação em relação à pandemia de Covid-19 e aos desdobramentos que ela traria para o país. Em seus comunicados oficiais e em aparições públicas, Bolsonaro chamou medidas de prevenção ao novo coronavírus de “histeria” e reduziu a doença a uma “gripezinha” , dizendo que não enfrentaria problemas se fosse infectado, graças ao seu “histórico de atleta” . Além disso, ele apresentou a hidroxicloroquina como um medicamento para tratar a infecção, mesmo sem eficácia comprovada.

O presidente também teve atritos com o então Ministro da Saúde , Luiz Henrique Mandetta , por conta de diferentes posicionamentos quanto às medidas de precaução contra o vírus. Contudo, questionado sobre a possibilidade do Ministro ser demitido, Bolsonaro disse: “ Comigo, ninguém vai viver sob tensão. Está bem o Mandetta ”. 

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre” 

No começo de abril foi sancionado pelo Governo Federal  o auxílio emergencial de R$600 destinado a trabalhadores informais, microempreendedores individuais, contribuintes individuais da Previdência Social e desempregados.

Bolsonaro demitiu Mandetta  do Ministério da Saúde no dia 16 de abril, após divergências sobre as ações do governo frente à pandemia e, principalmente, a questão da cloroquina, defendida pelo presidente e desacatada pelo ex-ministro . Nelson Teich assumiu o cargo e disse que haveria “alinhamento completo” com Bolsonaro.

Quando o Brasil ultrapassou o número de mortes da China, atingindo a marca de 5.017 mortos, Jair Bolsonaro foi questionado por uma repórter sobre o assunto e respondeu: “ E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre ”.

“Quem é de direita toma cloroquina, quem é de esquerda, Tubaína”  

Alguns desdobramentos importantes da política brasileira aconteceram em maio , como a  segunda demissão de um Ministro da Saúde em meio à pandemia. Nelson Teich pediu para sair do cargo e fez o comunicado em público no dia 15 de maio, antes de completar um mês de atuação. Segundo o médico, não houve alinhamento com o presidente e por isso decidiu sair. "Não foi a cloroquina, foi política", disse ele.

Nesse mês, já com  Eduardo Pazuello ocupando interinamente o posto de Ministro da Saúde,  o governo ampliou o uso da cloroquina em um protocolo que autorizava médicos a prescreverem o medicamento para pacientes com sintomas leves , mesmo com os possíveis efeitos colaterais que o remédio poderia causar. 

“A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo”

No começo do mês de junho , o presidente disse que  estava estudando romper relações com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e definiu o órgão como partidário, ideológico e político. “Ou a OMS trabalha sem o viés ideológico ou nós vamos estar fora também. Não precisamos de gente lá de fora dando palpite na saúde aqui dentro”, comentou Bolsonaro.

O chefe de Estado também atribuiu a governadores e prefeitos a responsabilidade sobre o número de desemprego no país, que, segundo ele, foi causado pelas medidas de contenção ao novo coronavírus.   

 “Morre gente todos os dias de uma série de causas. É a vida, é a vida” 

Na primeira semana de julho , Bolsonaro foi diagnosticado com Covid-19 . O presidente se manteve isolado no Palácio da Alvorada e foi monitorado de perto pelo Hospital das Forças Armadas. Ele não teve complicações e se recuperou bem.

Bolsonaro sancionou a lei que determina o uso obrigatório de máscaras em público enquanto durar a pandemia no Brasil. No entanto, ele vetou o trecho que obrigava a utilização de máscaras em templos religiosos, estabelecimentos comerciais e instituições de ensino e não autorizou a imposição de multas para quem descumprisse as medidas. 

“Vamos tocar a vida e buscar uma maneira de se safar” 

No dia 8 de agosto , o Brasil atingiu a marca de  100 mil mortes por Covid-19. Já nesse mês, Bolsonaro dizia que a vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford poderia estar disponível até dezembro para os brasileiros. Foi também em agosto que o Congresso derrubou vetos do presidente, assim garantindo acesso a água potável e materiais de higiene a indígenas e quilombolas e assegurando a obrigatoriedade do uso de máscaras .

No sexto mês de pandemia no Brasil , o chefe do Executivo sancionou a lei que libera escolas e universidades de cumprir 200 dias letivos em 2020  e a medida provisória que permite que o governo federal adote medidas para restringir a circulação de bens e pessoas. Bolsonaro também continuou a defender o uso da hidroxicloroquina e chegou a fazer  piadas de cunho sexual e homofóbico sobre a aplicação de ozônio no reto como método de tratamento contra o novo coronavírus

“Estamos praticamente vencendo a pandemia” 

Após quatro meses comandando a pasta no posto de interino e cinco dias depois de o Brasil ultrapassar 130 mil mortos, o general Eduardo Pazuello tomou posse como ministro da Saúde em 16 de setembro . A cerimônia foi marcada pela crítica ao isolamento social e pela defesa da cloroquina. Nesse mês, o ex-ministro Mandetta declarou que o presidente teve uma “reação bem negacionista e bem raivosa” ao ser alertado sobre milhares de mortes que a pandemia poderia ocasionar.

Em setembro , Bolsonaro editou medidas provisórias para oficializar a entrada do Brasil no consórcio Covax Facilty , um programa mundial voltado para o desenvolvimento de imunizantes contra Covid-19. No mesmo mês, o presidente  atacou as medidas de restrição adotadas por governadores e prefeitos, classificando-as como "projetos ditadores nanicos que apareceram pelo Brasil afora".

“Eu não pedi para ninguém ficar em casa” 

Em outubro , o Brasil chegou a  150 mil mortos e a corrida por uma vacina ganhou novos capítulos. No dia 20 de outubro, Pazuello havia anunciado a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac , desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. Em seguida, o ministro da Saúde foi desautorizado por Jair Bolsonaro .

O presidente também sustentou o discurso contra o isolamento social , medida recomendada pela OMS durante a pandemia, e rejeitou a ideia de uma vacinação obrigatória .

"Tem que deixar de ser um país de maricas" 

Em novembro , veio à tona a notícia de que  6,86 milhões de testes de Covid-19, adquiridos pelo Ministério da Saúde, estavam prestes a vencer nos próximos dois meses e poderiam ser descartados. Além disso, também foi o mês em que a guerra das vacinas se intensificou . "Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", disse o presidente sobre a suspensão temporária dos testes da CoronaVac .

Com pelo menos 173 mil mortos , Bolsonaro declarou que “tudo agora é pandemia , tem que acabar esse negócio, pô” e  afirmou que a população deveria deixar de ser “maricas” e “enfrentar” a Covid-19.  O presidente ainda negou que tenha usado o termo “gripezinha” para se referir à doença em qualquer momento durante a pandemia. 

“A pressa da vacina não se justifica” 

O Brasil chegou ao fim do ano, mas não ao final da pandemia, com os casos de infecção por Covid-19 crescendo novamente. No dia 16 de dezembro , o Plano Nacional de Imunização foi  apresentado oficialmente e, três dias depois, com pelo menos 186 mil mortes no país, Bolsonaro afirmou que “a pressa da vacina não se justifica” .

Foi também nesse mês que o presidente  editou uma medida provisória com R$ 20 bilhões destinados à compra de doses de vacina e insumos e ao financiamento de logística e campanha de imunização. Além disso, Bolsonaro também falou sobre planos de exigir um  termo de responsabilidade de quem tomar a vacina contra o novo coronavírus. 

*Estagiárias supervisionadas pela Equipe de Último Segundo

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários