bolsonaro
Brasil 247
Presidente Jair Bolsonaro e Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta

BRASÍLIA - Em atrito com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o presidente Jair Bolsonaro foi questionado nesta terça-feira (31) sobre a permanência do ministro no cargo. Na entrada do Palácio da Alvorada, disse a jornalistas que “ninguém vai viver sob tensão” em seu governo.

Leia também: Em meio à pandemia, Carlos Bolsonaro ganha escritório no Planalto

"Comigo, ninguém vai viver sob tensão. Está bem o Mandetta", afirmou Bolsonaro , em meio a gritos de apoiadores, que ironizavam a possibilidade de o ministro deixar o governo.

Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (30), o ministro Mandetta também foi questionado sobre as divergências com o presidente, e afirmou que “os processos em andamento, as tensões, são normais pelo tamanho desta crise".

Assim como fez pela manhã, Bolsonaro voltou a falar sobre o posicionamento do diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, com base em um trecho editado da manifestação do dirigente. Ghebreyesus defendeu que os governos auxiliem trabalhadores informais que terão dificuldades financeiras, mas manteve orientação de isolamento social. Após o uso de um trecho de sua manifestação por Bolsonaro, o dirigente reforçou posicionamento no Twitter.

"Ele falou aquilo que venho falando há muito tempo. Só porque eu elogiei ele voltou atrás? Ele tem razão na fala dele, esse pessoal mais pobre, inclusive na informalidade, não pode ficar isolado num canto, senão vai morrer de fome", reafirmou Bolsonaro.

O presidente ainda foi cobrado por um apoiador sobre a liberação de ajuda a trabalhadores informais e prometeu sancionar o auxílio de R$ 600 mensais “o mais rápido possível”. A depender de ajustes, é possível que o texto seja sancionado ainda nesta terça-feira.

Leia também: Estados da Paraíba e Alagoas confirmam primeiras mortes por covid-19

"Estamos correndo atrás porque tem vetos que precisam ser analisados e justificados, não é só botar um ‘x’ não", explicou. Bolsonaro informou a jornalistas também que, em contato com a indústria farmacêutica, foi acertado o adiamento do reajuste no preço de medicamentos por dois meses.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários