Ministro da Saúde diz que programa cria mais vagas para médicos

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Padilha reiterou que a prioridade da administração federal é ocupar os postos com brasileiros

Agência Estado

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta terça-feira que o programa Mais Médicos, lançado nesta segunda-feira, 8, criará mais vagas para esses profissionais. Padilha sustentou que a discussão a respeito do projeto deve ser realizada "de forma respeitosa e com diálogo", ante as avaliações feitas por associações médicas.

Programa Mais Médicos:
Aluno de Medicina terá de passar 2 anos trabalhando no SUS 
Recrutamento de médicos estrangeiros é criado por medida provisória

De acordo com a Agência Brasil, em contestação às regras divulgadas, os médicos anunciaram uma greve. O ministro da Saúde reiterou que a prioridade da administração federal é ocupar os postos com brasileiros. "Estamos deixando claro que o programa não vai tirar vagas de médicos brasileiros, pelo contrário, vai gerar mais empregos para esses profissionais. Com os investimentos de mais de R$ 7 bilhões em infraestrutura que já estão em andamento, e mais de R$ 5 bilhões previstos, serão abertos 35 mil postos de emprego nessa área no Brasil", afirmou.

Leia mais: 
Falta de médicos não é exclusividade de países pobres ou em desenvolvimento

Em São Paulo, o protesto dos médicos aconteceu na avenida Paulista e reuniu 5 mil pessoas, de acordo com a PM. Foto: Paula Pacheco/iGProtesto de médicos no Maranhão. Foto: Marco Britto/Futura PressProtesto de médicos no Maranhão. Foto: Marco Britto/Futura PressProtesto de médicos no Paraná. Foto: Vagner Rosario/Futura PressProtesto de médicos no Paraná. Foto: Vagner Rosario/Futura PressProtesto de médicos no Piauí. Foto: Raoni Barbosa/Futura PressProtesto de médicos no Piauí. Foto: Raoni Barbosa/Futura PressProtesto de médicos em Florianópolis. Foto: Felipe Carneiro/FuturaPressProtesto de médicos em Florianópolis. Foto: Felipe Carneiro/FuturaPressProtesto de médicos no Pará. Foto: Igor Mota/Futura PressProtesto de médicos no Pará. Foto: Igor Mota/Futura PressProtesto de médicos no RJ . Foto: Reynaldo Vasconcelos/Futura PressProtesto de médicos no RJ . Foto: Reynaldo Vasconcelos/Futura Press


Padilha disse que, ao avançar no assunto, o Poder Executivo "enfrenta tabus", como o conceito de que há profissionais excesso no País e que a questão é a distribuição. "Estamos mostrando, com dados concretos, que faltam médicos no Brasil, não só na comparação com países europeus, mas com países aqui do lado, como a Argentina e o Uruguai", disse, declarando que nações com alto nível de desenvolvimento econômico e social que adotaram projetos análogos também enfrentaram forças opostas num primeiro momento.

Segundo o Ministério da Saúde, existe no País 1,8 médico por mil habitantes, ao passo que na Argentina a fração é 3,2; no Uruguai, 3,7; em Portugal, 3,9, e na Grã-Bretanha, 2,7. "Vamos continuar dialogando (com os médicos), montamos um grupo de trabalho com entidades médicas, mas a questão é que faltam médicos no Brasil e a culpa não é dos médicos brasileiros. Mas o único interesse que temos de observar são as necessidades de saúde da população", garantiu.


O iG está fazendo uma série especial sobre o projeto e a polêmica de trazer médicos estrangeiros para o Brasil. Confira:

- Médicos contam como é trabalhar onde falta tudo, até esparadrapo
- Falta de infraestrutura adequada é entrave para interiorização de médicos
- Chave para expansão de médicos, residência ainda não é para todos
- Norte e Nordeste são os que mais sofrem com falta de médicos
- 'Saúde não depende só de médico', diz vice-prefeita de cidade campeã do SUS
- A curto prazo é preciso ter médicos estrangeiros
- 'Atração de médicos estrangeiros não pode ser tabu', diz Padilha ao iG
- Médicos de Venezuela e Bolívia criticam experiência de 'importar' cubanos
- Médicos estrangeiros terão avaliação durante três semanas antes de trabalhar
- Cidade gaúcha paga faculdade e mesmo assim não consegue atrair médico
- Eles defendem a vinda de médicos estrangeiros para os rincões do País


Leia tudo sobre: saúdemédicosmédicos estrangeiros

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas