Governo Bolsonaro cortou questões 'sensíveis' do Enem, diz jornal
FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Governo Bolsonaro cortou questões 'sensíveis' do Enem, diz jornal

A gestão do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) cortou questões "sensíveis" do  Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), afirmou o jornal 'O Estado de São Paulo', em uma matéria publicada nesta quarta-feira (17).

Em meio à repercussão da declaração do presidente Bolsonaro de que o Enem começou a ter a  "cara do governo", o jornal afirmou que o  Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) passou a imprimir a prova previamente neste ano com a intenção de que mais pessoas tivessem acesso ao exame antes da aplicação. 

A reportagem afirmou que o diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep, Anderson Oliveira, avaliou a prova e que 24 questões, consideradas "sensíveis", foram retiradas do exame após uma "leitura crítica". A reportagem não especificou o teor das perguntas.

Posteriormente, 13 destas questões foram recolocadas no exame, uma vez que o Enem ficou descalibrado - na proporção entre questões consideradas fáceis, médios e difíceis.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Mais provas 

Em reportagem exibida no último domingo (14) pela 'TV Globo', servidores já haviam relatado que Anderson Oliveira havia pedido a remoção de mais de 20 questões da prova deste ano, sendo que a maior parte delas se referia a contextos sociopolíticos ou socioeconômicos do país.

Em entrevistas, o  ministro da Educação, Milton Ribeiro,  negou interferência na elaboração do Enem e minimizou o pedido de  exoneração de mais de 30 servidores.

"As provas foram impressas há meses, já foram encaminhadas. Não há como interferir nem eu, nem o presidente do Inep, nem o presidente da República. Então, essa ideia de que houve interferência é uma narrativa de quem quer politizar a educação", disse o ministro, em entrevista à CNN Brasil, nesta última terça-feira (16).

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários