Presidente Jair Bolsonaro
Alan Santos/ PR
Presidente Jair Bolsonaro


Horas após a divulgação de denúncias de servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) sobre interferências na realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) minimizou as queixas. Para ele, se trata apenas de um alinhamento com a sua gestão.


"O que eu considero é muito também, começa agora a ter a cara do governo, né, as questões da prova do Enem", declarou nesta segunda-feira (15), em Dubai, nos Emirados Árabes. "Ninguém precisa ficar preocupado, aquelas questões absurdas do passado que caíam tema de redação que não tinha nada a ver com nada. Realmente é algo voltado para o aprendizado", defendeu, segundo o G1.


Na noite deste domingo (14), o Fantástico exibiu uma reportagem feita com servidores do Inep que revelaram sofrer pressão psicológica e vigilância velada na formulação de questões do exame. O objetivo era evitar perguntas que incomodassem o governo e, para isso, supervisores tentavam interferir no conteúdo da prova, com intimidações.

Leia Também


Antes dessas revelações, ao longo da semana,  37 servidores pediram exoneração de seus cargos no instituto - a debandada ocorre às véspera da realização do exame, com provas marcadas para 21 e 28 de novembro . Eles acusam o presidente do órgão, Danilo Dupas, de "fragilidade técnica e administrativa" e de assédio moral.



Em meio a isso, a Frente Parlamentar de Educação pretende votar um pedido de audiência pública na Comissão de Educação da Câmara para que o Inep detalhe os fatos narrados. O Senado foi mais rápido e  já aprovou sua audiência para ouvir os coordenadores do órgão. Dupas nega as acusações.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários