Aplicativo do Enem
FOTO: AGÊNCIA BRASIL
Aplicativo do Enem

A razão pela qual mais de 35 funcionários pediram demissão do  Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) é a divergência com o gerenciamento do órgão, segundo o presidente da Assinep (Associação dos Servidores do Inep), Alexandre Retamal.

Nesta terça-feira (09), Retamal afirmou em entrevista ao Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha, que o Inep está sendo "mal administrado" e "desconstruído" pelo atual governo. Além disso, o presidente do órgão alegou que os servidores sofrem assédio moral. 

"Não tem mais como concordar com a administração atual no Inep (...) Precisamos que a sociedade saiba o que está acontecendo. Temos de nos unir para melhorar a educação brasileira", afirma o presidente da Assinep.

Segundo Retamal, o Inep é atacado pelo próprio Ministério da Educação e pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governo diz que o Inep "trabalha de forma ideológica", de acordo com Alexandre.

Leia Também

O chefe da associação ainda afirmou que o MEC e o governo influenciam nas provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes): "Às vezes, eles (MEC e o governo federal) querem obrigar os servidores a retirar uma questão sem ter justificativa cientifica", disse ele.

Em relação à demissão em massa dos funcionários, Alexandre Retamal disse que algumas áreas estão sem diretoria e trabalhando com poucas pessoas. Segundo ele, nessas condições os servidores ficam sobrecarregados e podem apresentar irregularidades. "Erros podem acontecer, mas esses erros acontecem muitas vezes pela sobrecarga e pela falta de pessoal suficiente. Isso é um exemplo claro que desconstrução", afirmou o presidente da Assinep.

Apesar do desmonte, Retamal afirmou que o Enem não será afetado pelas demissões . "Os estudantes podem ficar tranquilos".


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários