Mickey e Minnie apoiam o casamento gay na Disney de Tóquio

Por NYT |

compartilhe

Tamanho do texto

Ativista dos direitos gays que relatou planejamento de seu casamento e dia da celebração via internet se casou no parque temático e evento atraiu mensagens positivas no Twitter

NYT

O casamento parecia ter saído de um conto de fadas, com vestidos fluídos e um bolo de três camadas em um dos estabelecimentos japoneses mais cobiçados: a Disney de Tóquio. Koyuki Higashi e sua parceira se casaram em 2 de março diante de 30 convidados, mas, ao redor do país, muitos outros comemoraram um dos primeiros casamentos homossexuais realizados no parque temático.

Koyuki, uma atriz de teatro e ativista dos direitos dos homossexuais, e sua parceira, Hiroko, que não revelou seu nome completo, publicaram várias mensagens nas redes sociais sobre seus planos de casamento e sua cerimônia.

Saiba mais: Suprema Corte dos EUA discute lei federal contra casamento gay

Reprodução/Twitter
Koyuki e Horuko se casaram na Disney de Tóquio no início do mês

26 de março: Suprema Corte dos EUA inicia debate sobre casamento gay

França: Protesto contra o casamento gay termina em confronto com polícia

"Minha parceira Hiroko e eu acabamos de nos casar na Disney de Tóquio. O Mickey e a Minnie estão aqui para comemorar com a gente!", escreveu Koyuki, 28 anos, no Twitter. O post foi acompanhado por uma foto das noivas posando com os personagens da Disney ao lado de um bolo enfeitado com flores. Sua publicação foi retransmitida mais de 6 mil vezes, e atraiu mensagens muito positivas.

Mas no site Matome Naver, que recolhe e analisa publicações de mídia social, um usuário que se identificou como Nizo Hakoda comentou: "Eu particularmente não me importo com a homossexualidade e com o casamento homossexual, mas ao ficar sabendo do ocorrido me fez pensar por que tiveram que realizar a cerimônia em um lugar lotado como a Disney. Tudo bem para as pessoas que aceitam o casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas há quem não aceita."

Alemanha: Direitos dos homossexuais vira principal tema na campanha eleitoral

A Walt Disney há muito tempo tem permitido celebrações homossexuais de forma limitada em suas terras, como em salas de banquete. Mas em 2007, começou a permitir que casais do mesmo sexo pudessem comprar pacotes de casamento, que podem incluir cerimônias elaboradas, com personagens da Disney e exibição públicas em seus parques temáticos e em seus cruzeiros.

Apesar da mudança na política, Koyuki descobriu que nunca um casamento homossexual havia sido realizado no local. Ela relatou em seu blog e no Twitter que havia perguntado sobre casamentos homossexuais no Millial Resort, uma empresa da Disney. Mas quando se tornou evidente para os organizadores que sua parceira era do sexo feminino, eles perguntaram se uma delas poderia vestir um smoking - de modo que outros visitantes do parque não se sentissem desconfortáveis.

Bergoglio: Quando cardeal, papa deu apoio pragmático a união civil de casais gays

Mais: Gays fazem 'beijaço' em protesto contra rede de fast-food americana

Isso desencadeou uma série de comentários e discussões nas redes sociais. Uma semana depois, os organizadores do Millial Resort, uma subsidiária da empresa que administra a Disney Tokyo, retornou o contato de Koyuki com boas notícias: ambas as noivas eram bem-vindas para usarem vestidos de casamento (ou smoking, se for o caso).

"Mickey Mouse apoia o casamento homossexual!", lia-se em algumas manchetes na Internet. O Resort Milial chegou até mesmo a fazer um pedido de desculpas. "Inicialmente, houve um mal entendido por parte de nossa equipe sobre a exigência de vestidos", disse Jun Abe, porta-voz do Milial. "Se lhes causamos tristeza e desconforto, lamentamos".

NYT: Catedral Nacional americana realizará casamentos homossexuais

Votação histórica: Eleitores em Maine e Maryland aprovam casamento gay

Naturalmente, o casal sentiu que seu casamento não estava completo, pois faltou um elemento: o reconhecimento da lei. O Japão não reconhece casamentos homossexuais, embora haja pouca oposição religiosa do budismo e da religião xintoísta. Textos históricos japoneses fazem referências a homossexuais.

Alguns governos locais, incluindo o de Tóquio, até mesmo proíbem a discriminação no trabalho com base na identidade sexual, mas, mesmo assim, na sociedade japonesa relativamente conformista, a maioria dos habitantes homossexuais permanecem no armário.

Figuras públicas homossexuais tendem a ficarem limitadas à TV de entretenimento, nos quais os homens homossexuais são populares por seu comportamento “extravagante”. Bares homossexuais prosperam apenas em determinadas áreas nas grandes cidades. De acordo com alunos de direitos humanos, bullying de alunos que são homossexuais é quase inexistente.

Koyuki se assumiu homossexual há menos de três anos, depois de uma carreira de curta duração no teatro, embora Hiroko tenha dito que ela não pode usar seu nome completo, porque alguns membros da família não são totalmente confortáveis com a sua sexualidade.

Hiroko disse, no entanto, que ela foi encorajada pela reação de amigos, familiares e meios de comunicação social, e que ela esperava que seu casamento tivesse ajudado a criar uma discussão pública.

"Isso poderia levar o Japão a questionar por que tantas vezes ignora ou discrimina as minorias", disse Hiroko. "Nós só queremos que as pessoas saibam que os homossexuais existem de verdade, e que gostariam de realizar casamentos como todo mundo."

Por Hiroko Tabuchi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas