China proíbe banquetes luxuosos regados a álcool para militares

Decreto publicado pelo governo estabelece que oficiais não poderão mais ficar hospedados em hotéis caros durante inspeções no interior do país; medida visa ao combate à corrupção

BBC |

BBC

Um decreto publicado pelo governo chinês proíbe que militares do país realizem banquetes luxuosos, com bebida alcoólica e excesso de comida. A medida foi anunciada pelo governo central no começo deste mês, na tentativa de combater a corrupção entre militares.

A agência de notícias Xinhua noticiou neste sábado que festas e coquetéis de militares não poderão mais ter fartura de comida e bebida alcoólica. Regras semelhantes também se aplicarão a algumas festas e coquetéis de autoridades civis.

Leia mais:  Exército chinês afrouxa regras e permite tatuagens faciais

AP
Soldados recém-recrutados esperam para entrar em trem na estação de Nanjing (foto de arquivo)


Saiba também: Chefe de polícia na China é demitido acusado de ter caso com gêmeas

O decreto do comitê central do Partido Comunista chinês - que inclui civis e militares - estabelece oito mudanças que precisam ser feitas na conduta de autoridades governamentais. Os oficiais não poderão mais ficar hospedados em hotéis de luxo durante viagens de inspeção pelo interior do país.

Também haverá um limite para o uso de sirenes durante as visitas. Faixas com mensagens de boas-vindas, tapete vermelho, presentes e arranjos florais também estão proibidos. "Os oficiais da Comissão Militar também precisarão disciplinar seus cônjuges, filhos e subordinados para se certificar que eles não aceitem propinas", afirma a notícia publicada pela Xinhua.

Leia também:  'Príncipes' da China usam seu poder para transformar política do país

Saiba mais:  Vídeo de sexo derruba autoridade do Partido Comunista da China

O decreto foi publicado no dia 4 de dezembro. Segundo a agência chinesa, Pequim foi o primeiro município a adotar o decreto para suas autoridades civis. O novo líder chinês, Xi Jiping, já discursou algumas vezes sobre a importância de se combater a corrupção no país, que pode alimentar a insatisfação popular.

    Leia tudo sobre: chinaexércitoexército chinêsbanquetemilitar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG