Vídeo mostra advogado do goleiro Bruno fumando crack

Em entrevista a TV, Ércio Quaresma admite vício e afirma: "depois da bomba de Hiroshima, é a substância mais avassaladora"

iG São Paulo | 17/11/2010 14:46

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

Advogado de Bruno aparece em beco fumando crack. Veja

Um vídeo divulgado pela TV Alterosa/ SBT Minas mostra o advogado do goleiro Bruno Fernandes, Ércio Quaresma, fumando crack em uma favela de Belo Horizonte. Nas imagens, o criminalista aparece de roupa social em um beco ao lado de possíveis traficantes.

Há uma confusão sobre o valor pago pela droga e um dos traficantes parece não gostar, mas se acalma ao saber que se trata do advogado do atleta. Bruno e outras 7 pessoas são acusadas pela morte de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro.

Quaresma acende um cachimbo e, antes de ir embora, tenta fumar mais uma vez. A gravação foi feita no dia 29 de outubro de 2010 na favela da Ventosa, região noroeste de Belo Horizonte.

Por saber que emissoras de TV possuíam a gravação, Quaresma preferiu se antecipar e, antes mesmo da exibição do vídeo, deu uma entrevista ao programa TV Verdade, de Ricardo Carlini, onde admite o vício. “Eu tive contato com as drogas aos 15 anos. Até um tempo usei maconha, depois fui me envolver com cocaína. Parei quatro anos, fiquei sem consumir nada. Há oito anos tive ingresso no tenebroso mundo do crack”, diz.

O advogado afirma que se trata com o psiquiatra Ronaldo Laranjeira, PhD em Dependência Química na Inglaterra. Ele acrescenta que o vídeo antecipou sua revelação do problema que enfrenta com as drogas. “Eu revelaria mais para a frente, estou escrevendo o livro ‘Bico na Lata’, sobre a dependência. É uma doença que você não tem controle sobre você”, afirma.

Durante toda a entrevista, Quaresma fala sobre o poder de destruíção do crack e afirma ter tido contato com a droga em uma balada. “Numa balada experimentei e é aquilo você não pode chegar perto. É que nem vírus da Aids: você tem contato e se torna soropositivo o resto da vida”, compara ele. “Você não tem cura para a dependência química, você tem controle. Cada dia pela manhã, cada raio de sol é uma luta porque você é escravo. Depois da bomba de Hiroshima, foi a substância mais avassaladora que criaram”, considera.

    Notícias Relacionadas



    Ver de novo