Resquícios de testes nucleares 'resistem décadas na atmosfera'

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisa desafia ideia de que resíduos desapareciam depois de alguns anos; cientista descarta risco à saúde

BBC

AFP
Míssil capaz de carregar ogiva nuclear (foto de arquivo)

Partículas radioativas de testes nucleares realizados décadas atrás persistem na atmosfera, indica um estudo, que encontrou isótopos de plutônio e césio em concentrações surpreendentemente altas. Até então, cientistas acreditavam que resíduos nucleares seriam imperceptíveis na Terra.

Conheça a home do Último Segundo

"A maioria das partículas radioativas é removida nos primeiros anos após a explosão, mas uma fração permanece na estratosfera por algumas décadas, ou mesmo centenas e milhares de anos", diz José Corcho Alvarado, autor do estudo (publicado no periódico Nature Communications) e pesquisador do Instituto de Física Radioativa do Hospital Universitário de Lausanne (Suíça).

NYT: Há radiação em toda parte, mas cientistas discordam sobre o risco

Mas ele ressalta que esses níveis não são altos o suficiente para provocar riscos à saúde humana.

Corrida armamentista

No auge da Guerra Fria (1947-1991), quando a corrida armamentista nuclear estava a todo vapor, armas eram desenvolvidas e testadas em diversos lugares do mundo. Passados mais de 50 anos, o legado radioativo permanece.

Ainda que explosões nucleares inicialmente atirem material ao ar, cientistas acreditavam que as partículas resultantes permaneciam perceptíveis por um curto período de tempo.

Na troposfera (camada inferior da atmosfera, imediatamente acima da Terra), os isótopos são removidos relativamente rápido, "lavados" por chuva ou neve ou puxados pela gravidade. 

Leia: Saiba mais sobre os efeitos da radiação no corpo humano

Mas algumas partículas ficam retidas na estratosfera (camada 10 km a 50 km acima da Terra), acreditam os pesquisadores suíços. "As concentrações que medimos eram de nível cerca de 1 mil a 1,5 mil superior na estratosfera do que na troposfera", diz Alvarado.

As pesquisas foram realizadas na Suíça, mas os cientistas dizem acreditar que níveis semelhantes devem ser encontrados na mesma latitude em outros pontos da Terra.

Os pesquisadores também descobriram que o material se move pela atmosfera durante eventos naturais, como erupções vulcânicas.

Durante a erupção do vulcão islandês Eyjafjallajökull, em 2010, por exemplo, aumentaram os níveis de plutônio na atmosfera inferior.

Os efeitos de longo prazo disso não estão claros, mas, para Alvarado, "é importante ressaltar que não há perigo para a população".

Ele acrescenta que resíduos nucleares podem ser rastreados para que possamos descobrir mais a respeito de como partículas se movem na atmosfera.

Leia tudo sobre: teste nuclearradiação

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas