Campanha separatista abre feridas na população do Pará

Manifestações de revolta e até de ódio entre regiões do Pará Remanescente, Carajás e Tapajós são latentes entre moradores

Wilson Lima, enviado ao Pará |

Assim como uma discussão sobre um provável rompimento em uma relação, a campanha do plebiscito que ouve domingo a população de Belém sobre a criação dos Estados de Carajás e Tapajós, abriu feridas em praticamente todos os moradores. As campanhas despertaram, de certa maneira, a raiva e o rancor em uma população que antes vivia de forma absolutamente pacífica, respeitando-se apesar das suas diferenças. O que antes era apenas uma reivindicação de uma região, tornou-se nessa reta final de campanha uma disputa entre bandidos, mocinhos, explorados e oprimidos.

Os moradores das regiões separatistas, principalmente em Marabá, mostram claramente sua revolta com a população de Belém, apesar do plebiscito ainda não ter ocorrido. Eles recriminam os habitantes da região metropolitana da capital de não apoiá-los na divisão. Nas ruas, é fácil ouvir expressões pejorativas contra os belenenses como “cariocas genéricos” ou “papachibés”. A primeira em alusão ao sotaque do belenense; o segundo, uma referência a um caldo típico da região, o chibé, feito com água, farinha e limão.

Os dois lados: Conheça os argumentos de quem é a favor e contra a divisão do Pará

Na TV: Veja vídeos da campanha eleitoral no Pará

Em Belém, pessoas que estão mais ligadas à campanha reclamam das propostas dos “forasteiros” de Carajás e Tapajós. Chamam a ideia separatista de “furto” das riquezas do Estado, dizem que as propostas são oportunistas e que a divisão seria uma punição ainda mais severa a um Pará já vítima da pobreza e do isolamento. Fazem sempre menções ao passado político dos líderes separatistas já que alguns deles respondem a ações no STF (Supremo Tribunal Federal) por indícios de corrupção.

iG no Pará:

- Em Carajás, católicos e evangélicos se unem para criar Estado

- Em coração separatista, campanha é tímida e participação, pequena

- Pai trabalha para dividir o Pará. Filha, para mantê-lo unido

- Separatistas dizem que é "dificílimo" conseguir criar Estados

Wilson Lima/iG
Carlos Roberto usa o carro de som que normalmente aluga para fazer campanha pela separação
Em Tapajós, também há sentimentos de rancor e ódio contra os moradores de Belém. O problema começou depois de artigos e textos que defenderam a união do Estado fazendo referência aos habitantes da região de Tapajós como índios, falsos tupiniquins, traficantes e bandidos. Além disso, nas últimas semanas da campanha do plebiscito, surgiram denúncias de agressões físicas entre separatistas e unionistas tanto em Belém, quanto em Marabá e Santarém. Em Santarém, os separatistas afirmaram que foram ameaçados de morte por unionistas por meio do Facebook.

Wilson Lima/iG
Sempre houve uma diferença entre as regiões, mas após o plebiscito rachou de vez, diz o professor Edvaldo Bernardo
Em uma praça do bairro Cidade Nova, em Marabá, possível capital de Carajás, Carlos Roberto Cavalcante, goiano de 57 anos, mas com filhos nascidos no Pará, prega apenas com frases feitas em um trio elétrico, o fim do da dependência com a região Metropolitana de Belém, capital do Pará.
Entre palavras de ordem e xingamentos explícitos contra o governador Simão Jatene (PSDB), Cavalcante, também tenta passar a mensagem do “Sim”. "A separação seria interessante, mas o pessoal de Belém é muito egoísta”, disse. Técnico de som, ele vive do aluguel do carro com o qual faz campanha separatista. Tirou dois dias para isso. Deixou de ganhar R$ 3 mil no período. “Tudo em nome de uma causa maior”.

Em Belém, o vendedor Mário Ribeiro não chegou a tanto, mas reclama das propostas separatistas. “Esses caras só pensam em fazer palanque político e em transformar Carajás e Tapajós em currais eleitorais”, declara.

As frentes do Sim e do Não se acusam mutuamente. Os separatistas afirmam que o ódio foi provocado pelos unionistas quando eles foram acusados de oportunismo e até chamados de “ladrões”, quando o “Não” afirmou na campanha que o “Sim” roubaria as riquezas do Estado. Os integrantes do “Não” afirmam que o problema foi provocado pela campanha separatista, quando ela associou a falta de investimentos no sul a uma “perseguição” de Jatene.

“O Não fez uma campanha xenófoba, criminosa e mentirosa”, disse João Salame (PPS), presidente da Frente Pró-Carajás. “As feridas ficaram abertas. . Independentemente do resultado, a governabilidade do Pará foi afetada”, analisou o professor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e tesoureiro do Comitê Pró-Tapajós, professor Edvaldo Bernardo. “Dependendo de como a administração olhar para a nossa região, podemos entrar em um processo de desobediência civil”, declara Bernardo.

O próprio Jatene afirmou em artigo publicado há cerca de três semanas que estava preocupado com o Pará pós-plebiscito. Ele disse que a disputa causará uma “mágoa profunda” na população. Pelo visto, não precisou o plebiscito acontecer. O Pará, antes mesmo do resutaldo do plebiscito, mudou.

Continue lendo sobre a divisão:

O debate:

- Como ficaria o Brasil com os novos Estados

A campanha:

- Na reta final, separatistas ficam sem tempo no rádio e na TV

- Governador do Pará diz que plebiscito cria ressentimento e mágoa

- 'Não somos galos em rinha', diz governador em direito de resposta

- Movimento pede boicote a deputados que pregam divisão do Pará

- Receita dos municípios vira alvo de disputa em campanha

    Leia tudo sobre: ParáTapajósCarajásplebiscitodivisão do Parádivisao do para

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG