Recursos Educacionais Abertos podem globalizar a educação

Por Cinthia Rodrigues - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Tema de projetos governamentais e institucionais, os Recursos Educacionais Abertos tornam publicações, teses e cursos acessíveis a qualquer um pela internet

O termo Recursos Educacionais Abertos (REA) criado pela Unesco há 11 anos pode ainda ser bastante desconhecido, mas as aplicações práticas têm milhões de adeptos mundo afora. São exemplos de REA a Khan Academy e cursos online abertos como os de MIT, Harvard, Columbia e Stanford. No Brasil, as universidades também começam a baixar os escudos da academia e projetos de lei tentam tornar público materiais comprados pelos governos.

NYT
Professor da Universidade da Pensilvânia, uma das que passou a oferecer aulas online gratuitas

Pela definição da Unesco, “Recursos Educacionais Abertos são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa em qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros”. Cabem aí cursos inteiros ou parciais, livros ou capítulos, vídeos, artigos acadêmicos
e aulas em qualquer formato, ou seja, tudo que serve para aprendizagem tem potencial para ser REA, basta estar online e sem bloqueio por senhas, proibições autorais ou formatos que dificultem o acesso.

Desde 2011, dois projetos de lei tentam tornar REA tudo que os governos federal e estadual de São Paulo compram com fim educacional. Estudos encomendados a fundações, manuais produzidos por especialistas com dinheiro público e teses produzidas nas universidades públicas ou com bolsas passariam a, obrigatoriamente, ficar disponíveis online.

O projeto de lei do deputado federal Paulo Teixeira (PT) sequer foi votado. Em São Paulo, a
proposta do foi aprovada na Assembleia no final de 2012, porém vetada pelo governador
Geraldo Alckmin (PSDB) na semana passada – com o argumento de inconstitucionalidade que tem sido usado em 90% dos vetos apesar da aprovação prévia na Comissão de Justiça da Câmara. O veto ainda pode ser derrubado pelos deputados, mas a prática é rara.

O ato foi considerado “anti-democrático” pela representante da comunidade REA Brasil,
Bianca Santana, diretora de Educação do Instituto Educa Digital e co-organizadora do livro
Recursos Educacionais Abertos: Práticas Colaborativas e Políticas Públicas. “É um veto que
não coloca nada contra a proposta, pelo contrário, diz que é favorável e já faz uso por outras
iniciativas. Ou seja, apenas tira do poder legislativo o poder de propor uma legislação”.

Os modelos de REA mais conhecidos, no entanto, não são iniciativas de governos. A maioria
deles vem de instituições de ensino e pessoas. A abertura de cursos online pelo Massachussetts Institute of Tecnology (MIT) em 2001 é considerada a precursora dos Recursos Educacionais Abertos. A própria denominação da Unesco surgiu depois.

Divulgação
Salman Khan é o exemplo mais popular de pessoa que produz Recursos Educacionais Abertos

No ano passado a quantidade de universidades com conteúdo aberto cresceu exponencialmente. Foram criadas as plataformas EDX - que já estreou com curso do próprio MIT e da renomada Harvard e ganhou outras parceiras – e Coursera com materiais de pelo menos 25 universidades de diferentes partes do mundo.

Entre as iniciativas pessoais, a mais popular é a do americano Salman Khan, criador da Khan Academy, um site com aulas gratuitas em vídeos que tem 6 milhões de usuários por mês em 216 países. “Cada pessoa pode optar por uma licença aberta a tudo o que publica na internet”, explica Bianca. A principal opção para deixar clara a intenção de compartilhamento é publicar como Creative Commons, uma licença livre que se opõe ao Copy Right, em que todos os direitos da obra são reservados.

USP terá estudo internacional

O impacto do uso de REA será tema de uma pesquisa coordenada pelo professor José Dutra de Oliveira Neto, da Faculdade de Economia e Administração da USP de Ribeirão Preto, com 53 pesquisadores de 25 países. A expectativa é diagnosticar o acesso e uso destes materiais em 40 países em desenvolvimento na América Latina, Ásia e África.

“Poucas pesquisas relatam os resultados em termos educacionais. Mas com certeza o acesso a material de boa qualidade existe e o custo da utilização do REA é bem menor que o modelo tradicional”, afirma Dutra. Para ele as iniciativas no Brasil ainda são tímidas comparadas ao potencial, como é o caso da própria USP, que sedia sua pesquisa.

“Como a melhor instituição de pesquisa na América Latina, ela deveria contribuir mais para
disseminar as boas práticas educacionais. A USP começou no ano passado a e-aula que é
um repositório para os alunos e fica acessível à população em geral. É uma iniciativa boa. Mas
existe espaço para ideias que atendam a definição original de REA com a permissão não só
para usar, como aprimorar, recombinar e distribuir”, diz. A pesquisa tem início em 2013 e dois anos de prazo.

Saiba mais sobre o assunto:
REA Brasil www.rea.net.br
REA na UNESCO (http://www.unesco.org/new/en/communication-and-information/access-to-knowledge/open-educational-resources/)

Exemplos de REA:
Khan Academy (https://www.khanacademy.org/)
Coursera (https://www.coursera.org/)
EdX (https://www.edx.org/)

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas