Enterro da maior parte das vítimas deverá ocorrer no Cemitério Municipal de Santa Maria

Familiares iniciaram o velório dos mortos no incêndio que atingiu a boate Kiss, em Santa Maria, região central do Rio Grande do Sul, no final da tarde deste domingo. O velório coletivo está sendo realizado em um ginásio do Centro Desportivo Municipal, ao lado do pavilhão para onde os corpos retirados da casa noturna foram levados. Alguns corpos deverão ser sepultados ainda neste domingo.

Vítimas: veja a lista de corpos identificados

Relato: “Vi pessoas se escondendo dentro de freezers”, diz sobrevivente

Músico: “Ficamos com medo de linchamento”, diz guitarrista que tocava em boate

Solidariedade: População prestou primeiros socorros, diz sobrevivente

Testemunhas:
Saída principal da boate estava fechada após incêndio

Vídeo: Veja imagens da tragédia em Santa Maria, no Rio Grande do Sul

No local, também ocorreu  a identificação das vítimas . De acordo com o governo do Estado já foram os 230 corpos. Além da movimentação de familiares e amigos, muitos voluntários caminham pelo local, distribuindo água e comida. A maioria dos mortos na boate era de jovens, já que a cidade abriga várias instituições de ensino superior. Muitos deles morreram por asfixiamento por inalação de fumaça tóxica.

O delegado Sandro Meinerz, um dos responsáveis pela investigação do incêndio, informou que um dos três proprietários do estabelecimento ainda não foi localizado pela Polícia para dar depoimento e outro já foi ouvido. "Um deles foi ouvido, e outro desapareceu", disse o delegado, sem detalhar o teor do depoimento.

Meinerz afirmou ainda que um dos integrantes da banda que tocava no estabelecimento - cuja apresentação supostamente teria dado origem ao incêndio, durante espetáculo de pirotecnia - foi ouvido pelos policiais que investigam o caso. Ele não forneceu detalhes desse depoimento porque não acompanhou o testemunho do músico. Outro membro da banda morreu no incêndio.

Os integrantes da banda podem ser indiciados por homicídio culposo - quando não há intenção de matar. "Doloso não, culposo sim. É culpa de quem usou a pirotecnia. A banda sim (poderá ser indiciada), porque a atuação deles é que deu vazão ao incêndio e é preciso checar se eles podiam fazer aquilo ou não", afirmou o delegado em entrevista à Agência Estado.

Outros casos:

- Pirotecnia em locais fechados causou tragédias em várias partes do mundo
- Relembre outros incêndios que causaram tragédias em boates
- Tragédia similar na Argentina provocou mudanças em boates

Segundo Meinerz a faísca do sinalizador utilizado no palco pela banda foi puxada pelo exaustor da boate e isso causou o incêndio por cima da espuma, o que pode ter gerado fumaça tóxica.

Homenagem às vítimas

Um ato ecumênico estava previsto para ocorrer a partir das 8h desta segunda-feira em Santa Maria. A celebração seria feita pelo arcebispo da cidade, dom Hélio Adelar Rupert. no Centro Desportivo Municipal (CDM), onde está sendo velada parte das vítimas.

Até a madrugada de hoje, oito corpos, já identificados, ainda não tinham sido procurados pelas famílias e foram transferidos para caminhões refrigerados. Após o reconhecimento do corpo, muitas famílias preferiram retirá-lo do centro esportivo e levar para a cidade natal ou para velórios particulares. Na madrugada, pouco mais de 40 corpos permaneciam no CDM.

O enterro da maior parte das vítimas deverá ocorrer no Cemitério Municipal de Santa Maria, onde o Exército já trabalhava desde ontem para abrir as covas. Ainda não há previsão de horário para a despedida final aos universitários que morreram, em sua maioria, asfixiados com a fumaça do incêndio. Muitos corpos foram levados para outras cidades próximas a Santa Maria e para Porto Alegre (RS).

Visita da presidenta e luto

A presidenta Dilma esteve em Santa Maria nesta tarde , após interromper viagem ao Chile. Acompanhada  dos ministros da Educação, Aloizio Mercadante; dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e da Saúde, Alexandre Padilha, além do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), Dilma conversou com parentes das vítimas e feridos na tragédia. O governo federal decretou luto oficial de três dias pelas vítimas , e o Rio Grande do Sul, sete dias.

A presidenta acertou com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, o envio de uma força-tarefa federal para ajudar nos desdobramentos do incêndio .

De acordo com a Defesa Civil, outras 117 pessoas ficaram feridas no incêndio. O Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul informou que o alvará de funcionamento da boate estava vencido , mas em processo de renovação e que o local tinha instalações de prevenção a incêndios, o que permitia seu funcionamento.

*Com Agência Estado e Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.