Dilma veta a venda de medicamentos em supermercados e hotéis

Para a presidenta, venda fora de farmácias e drogarias "dificultaria" o controle da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Valor Online |

A presidenta Dilma Rousseff vetou a venda de remédios sem exigência de receita médica em supermercados, armazéns, empórios, lojas de conveniência e similares, além de hotéis. A liberação estava prevista na Medida Provisória 549/11, que zerou impostos de vários produtos específicos para deficientes físicos.

Ao sancionar a lei 12.649, com seis vetos, Dilma justificou que a venda de medicamentos fora de farmácias e drogarias "dificultaria" o controle da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "A proposta poderia estimular a automedicação e o uso indiscriminado, o que seria prejudicial à saúde pública", argumentou Dilma no veto, publicado hoje no Diário Oficial da União.

A lei 12.649 zera a incidência de PIS/Cofins na aquisição interna e importação de produtos por deficientes físicos. Dilma também vetou outro artigo que permitiria a importação de circuitos impressos, sem tributação.

Outros três vetos foram a dispositivos que retiravam a incidência de PIS/Cofins sobre venda de embalagens para engarrafamento de água, cerveja e refrigerante, pois seria "suprimir importante instrumento de combate à sonegação fiscal", conforme a razão do veto.

    Leia tudo sobre: medicamentodilma rousseffanvisa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG