Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Agência Brasil
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido)

A Câmara dos Deputados recebeu, só em 2021,  84 pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro (PL). A quantidade é maior que os 68 pedidos de afastamento registrados contra Dilma Rousseff (PT) durante os pouco mais de cinco anos do governo da petista.

Desde que Bolsonaro assumiu o Planalto, em janeiro de 2019, 143 petições a favor de sua destituição foram protocoladas na Câmara, tendo sido a última registrada no último mês do ano, assinada pelo  jurista Miguel Reale Júnior — autor do documento responsável pela queda da petista em 2015. 

Dos 143, apenas sete foram arquivados ou desconsiderados, conforme analisou o portal iG junto a dados da Câmara. Os demais documentos não foram examinados pelo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que diversas vezes já se manifestou de maneira contrária à abertura de algum dos processos

'Superpedido' de impeachment une da esquerda à direita

Em junho deste ano, partidos, entidades civis e parlamentares de diferentes campos ideológicos se uniram para a elaboração de um 'superpedido' de impeachment do chefe do poder Executivo .

O documento foi assinado por 46 signatários, dentre eles, ex-aliados do presidente Bolsonaro, como deputados Joice Hasselmann (PSL) e Alexandre Frota (PSDB). PT, PCdoB, PSB, PDT, PSOL, Cidadania, Rede, PCO, UP, PSTU e PCB também estão entre os autores do pedido.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Entre as entidades civis, assinaram representantes da Associação Brasileira de Juristas pela democracia (ABJD), Articulação dos povos indígenas do Brasil (APIB), o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST).  Veja a lista completa de assinaturas neste link.

O texto, de mais de 250 páginas, elaborado por um grupo de juristas, atribuiu ao chefe do executivo 23 crimes de responsabilidade cometido por Bolsonaro durante o mandato. Eles foram divididos em sete categorias

  • Os crimes cometidos estão divididos em sete categorias:
  • Crimes contra a existência da União
  • Crimes contra o livre exercício dos poderes legislativo e judiciário e dos poderes constitucionais dos Estados
  • Crimes contra o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais
  • Crimes contra a segurança interna
  • Crimes contra a probidade na administração
  • Crimes contra a guarda e legal emprego dos dinheiros públicos
  • Crimes contra o cumprimento de decisões judiciárias

Apesar da mobilização, o documento está, assim como outros mais de 100, aguardando análise do presidente da Câmara dos Deputados, com baixa expectativa para ser apreciado.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários