Caso Cachoeira terá CPI mista

Decisão foi tomada por Maia (Câmara) e Sarney (Senado). CPI deve ser instalada na semana que vem após coleta de assinaturas

AE |

selo

Em reunião na tarde desta terça-feira (10), o presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), e do Senado, José Sarney (PMDB-AP), decidiram criar uma CPI mista para investigar as relações entre o empresário de jogos de azar Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com parlamentares. É preciso obter, no mínimo, 171 assinaturas na Câmara e 27 no Senado, mas a avaliação é que a criação da comissão já tem apoio suficiente nas duas Casas.

Maia disse que a CPI de Cachoeira deve ser instalada no início da próxima semana, depois de terminada a coleta de assinaturas dos parlamentares.

Leia também:

Senadores do PR, PTB e PSC apoiam CPI de Cachoeira

Governador de GO dá sinal verde a PSDB para tocar CPI

Conselho de Ética do Senado abre processo para investigar Demóstenes

AE
Cachoeira, preso em operação contra jogo ilegal, teria ligação com políticos de vários partidos

Cachoeira, preso desde fevereiro pela Polícia Federal, teria ligações com parlamentares como os deputados Carlos Leréia (PSDB-GO) e Sandes Júnior (PP-GO) e o senador Demóstenes Torres (sem partido -GO), que aparecem nos grampos telefônicos da Polícia Federal, obtidos com autorização da Justiça. Demóstenes já é alvo de processo por quebra de decoro no Conselho de Ética do Senado.

Ainda hoje Sarney começará a conversar com os líderes dos partidos no Senado sobre o assunto e Marco Maia fará o mesmo na Câmara. Ficou decidido que será construído um texto conjunto que valerá tanto na Câmara como no Senado para tratar do tema. "Não há necessidade de ter uma CPI lá e outra cá, pois uma CPI mista é que terá condições de investigar as ligações de Cachoeira com parlamentares, Executivo, Judiciário e parte da imprensa", disse.

Questionado se não teme que as investigações cheguem ao governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, Maia afirmou: "Quem estava na lista de contatos deve estar muito preocupado. Mas a pessoa sabia do risco que corria".

iG explica: Entenda a crise envolvendo o senador Demóstenes Torres

A bancada do PT no Senado tem defendido que senadores tenham acesso aos autos do processo, o que só seria possível por meio de uma CPI, depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) negou acesso aos autos de inquérito à corregedoria e ao Conselho de Ética do Senado.

Também nesta terça o colégio de líderes da Câmara, que reúne todos os partidos na Casa, havia decidido pela instalação da CPI para investigar o envolvimento de políticos Cachoeira, preso na operação Monte Carlo da Polícia Federal. Os líderes concordaram com Marco Maia de que o melhor caminho seria uma CPI mista, com deputados e senadores, para facilitar o trabalho e evitar disputas entre as duas comissões.

"Há uma rara unanimidade aqui", afirmou o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ), após a reunião. O líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), defendeu pressa para a criação da CPI. Ele disse que a instalação tem de ocorrer logo para evitar que o calendário dos trabalhos da comissão atinja o período eleitoral.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG