'Gushiken se solidarizou quando fui injustamente acusado e linchado', diz Dirceu

Por Patrícia Basilio - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Políticos lamentam morte durante velório em São Paulo. Militante morreu vítima de um câncer no estômago

No velório do ex-ministro Luiz Gushiken, neste sábado (14), o clima era de tristeza e, principalmente, de orgulho pela luta de Gushiken contra o câncer por quase 12 anos. O militante morreu nesta sexta-feira (13), acometido pela doença no estômago.

Futura Press
José Dirceu participa do velório do ex-ministro das Comunicações Luiz Gushiken no cemitério do Redentor, São Paulo

Familiares entram e saem o tempo todo do cemitério Redentor, no Centro de São Paulo, mas se recusam a dar entrevistas. Também vieram militantes e amigos pessoais do ex-ministro. Pela manhã, passaram o senador Eduardo Suplicy e o deputado federal José Genoino. Triste, Genoino se limitou a dizer: "O silêncio fala por mim". 

Leia também: 'Gushiken foi vítima das mentiras de parte da imprensa', afirma Lula

Morre em São Paulo Luiz Gushiken, ex-ministro do governo Lula

"Gushiken foi muito feliz. O Brasil era a grande paixão dele", afirmou o ex-ministro José Dirceu. "Ele me estimulou a lutar e disse que a fase heróica do PT foi a fase do mensalão. Somos inocentes e fomos injustamente acusados", disse o condenado no julgamento. "Ele foi solidário comigo quando eu fui injustamente acusado e linchado. Sempre me deu a mão e o braço", relembrou.

"Ele foi vítima", disse o Ministro da Casa Civil, Gilberto Carvalho. Segundo ele, Gushiken lutou nao só contra o câncer, mas contra interesses poderosos. "Ele continua presente nao só na vida política mas de todos o brasileiros", lamentou.

Segundo o vice-presidente Michel Temer, Gushiken organizou sua despedida, pedindo ele próprio para ser enterrado no cemitério Redentor. Como um homem público, ele se limitou a dizer que o avalia "positivamente". "Planejou uma grande greve dos bancários com muito êxito e bem organizada. Sua qualidade era a composição. Ele sabia que a liderança dependia de diversas forças", afirmou Temer.

Para o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, o ex-ministro transmitia muita força. "Foi uma pessoa que lutou até o último momento pelos trabalhadores, principalmente pelos bancários", afirmou.

No período da tarde, o Presidente da Câmara dos Vereadores de São Paulo, José Américo, disse que Gushiken é uma perda irreparável. Destacou também que ele ficou muito abalado com as acusações de peculato. "A pessoa que fez a acusação não pediu desculpas e não terá como pedir mais", lamenta.

Veja imagens do velório do ex-ministro Luiz Gushiken:

Acompanhado de mulher, ex-presidente Lula comparece ao Cemitério do Redentor para o velório do ex-ministro das Comunicações do seu governo Luiz Gushiken . Foto: Futura PressJosé Dirceu participa do velório do ex-ministro das Comunicações Luiz Gushiken no cemitério do Redentor, São Paulo. Foto: Futura PressFernando Haddad lamenta morte de Luiz Gushiken em velório. Foto: Futura PressO vice-presidente Michel Temer comparece ao velório do ex-ministro Luiz Gushiken em São Paulo. Foto: Futura PressO presidente da Câmara dos Vereadores de São Paulo, José Americo, comparece ao velório do ex-ministro Luiz Gushiken. Foto: Futura PressAmigos e familiares de Luiz Gushiken durante seu velório em São Paulo. À esquerda, coroa de flores mandada por Dilma Rousseff. Foto: Futura PressDeputado João Paulo Cunha comparece ao velório do ex-ministro das Comunicações Luiz Gushiken no cemitério do Redentor, São Paulo. Foto: Futura PressDeputado Arlindo Chinaglia comparece ao velório de Luiz Gushiken, ex-ministro das Comunicações do governo Lula. Foto: Futura Press

Veja mais: Presidente Dilma lamenta morte de Luiz Gushiken

Luiz Gushiken será homenageado em encontro do PT

O ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, destacou a competência do ex-ministro e a força com que ele lutou contra o câncer. "Ele fez muita falta quando deixou Brasília para cuidar da doença. Foi um homem excepcional".

"O Brasil perdeu um homem sensível, humano e comprometido com as causas sociais", reforçou o deputado federal Arlindo Chinaglia. O réu do mensalão João Paulo Cunha chegou ao velório por volta das 13h, mas não quis conceder entrevista.

A presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula devem chegar ao velório por volta das 14h30.

Leia tudo sobre: Luiz Gushikenex-ministro de LulaGushikenPTvelórioigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas