Crise da Coreia do Norte 'foi longe demais', diz secretário-geral da ONU

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pedindo diálogo para resolver tensão em Península Coreana, Ban Ki-moon diz temer resposta firme a qualquer provocação militar direta norte-coreana

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta terça-feira que a crise envolvendo a Coreia do Norte foi longe demais e que a solução depende do diálogo. "Ameaças nucleares não são um jogo. A retórica agressiva e o exibicionismo militar só resultam em contra-ações e alimentam medo e instabilidade", disse o sul-coreano durante visita oficial a Andorra.

Reator de Yongbyon: Coreia do Norte promete reativar instalações nucleares

Reuters
Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, dá coletiva em Andorra, onde pediu que diálogo resolva crise na Península Coreana

NYT: Mais do que a retórica bélica, EUA temem os riscos velados da Coreia do Norte

Nos últimos dias, o regime comunista norte-coreano ameaçou travar uma guerra contra a Coreia do Sul e usar armas nucleares contra o território dos EUA, mas na terça o jovem líder Kim Jong-un pareceu abrandar essa retórica ao insistir no caráter dissuasivo do seu arsenal nuclear. "Nosso poder nuclear é um meio confiavél de impedir uma guerra e uma garantia de proteção de nossa soberania", disse Kim em um discurso proferido na reunião do comitê central do governista Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte.

"As coisas devem se acalmar, já que essa situação, agravada pela falta de comunicação, pode levar a um caminho que ninguém desejaria seguir", disse Ban, oferecendo ajuda às partes para iniciar um diálogo.

Sábado: Coreia do Norte anuncia 'estado de guerra' com Sul

Reação: Coreia do Sul promete resposta rápida a eventual ataque do Norte; EUA usam jatos

"Estou convencido de que ninguém pretende atacar (a Coreia do Norte) por causa de discordâncias a respeito do seu sistema político ou política externa. No entanto, temo que outros respondam firmemente a qualquer provocação militar direta", disse. Ele também pediu às autoridades norte-coreanas que respeitem as resoluções do Conselho de Segurança da ONU.

As declarações de Ban foram feitas depois de a Coreia do Norte prometer que reativará todas as instalações nucleares, incluindo uma unidade de enriquecimento de urânio e o reator de seu principal complexo nuclear, de Yongbyon, fechado em 2007. O anúncio ocorreu um dia após um porta-voz do Departamento Geral de Energia Atômica do país ter dito que o governo pretende fazer com que a capacidade bélica nuclear norte-coreana seja "expandida e elevada quantitativa e qualitativamente".

Perspectiva: Em meio a ameaças da Coreia do Norte, Coreia do Sul cogita arsenal nuclear

AP
Reprodução de TV de 27/06/2008 mostra torre de resfriamento antes de sua demolição no reator de Yongbyon, Coreia do Norte

Aliada do regime de Pyongyang, a China lamentou o anúncio. A medida norte-coreana é o mais recente passo na escalada da tensão na Península Coreana após a realização do terceiro teste nuclear de Pyonyang em fevereiro. Na segunda-feira, o Parlamento da Coreia do Norte aprovou a expansão do programa nuclear do país, dando maior ênfase ao uso desse tipo de armamento em sua estratégia de defesa nacional.

No sábado, o país declarou estar em "estado de guerra" com o Sul - levando o vizinho a indicar publicamente que dará uma "forte resposta" a agressões promovidas pelo Norte.

Reação: Coreia do Norte rejeita sanções da ONU e China pede diálogo

Decisão: EUA reforçarão defesa de mísseis contra a Coreia do Norte

Pyongyang começou a fazer as atuais ameaças contra Seul após a aprovação de novas sanções contra o país pelo Conselho de Segurança da ONU em fevereiro, em resposta aos testes nucleares norte-coreanos. Os EUA também foram alvo de ameaças por causa daos exercícios militares conduzidos com os sul-coreanos anualmente.

Na segunda, o Parlamento norte-coreano, conhecido como a Assembleia Suprema do Povo da Coreia do Norte, "adotou de forma unânime uma orientação que dá maior ênfase às armas nucleares na defesa do país". Segundo a agência estatal KCNA, a lei aprovada classifica as armas nucleares do país como um "meio de defesa" que servem ao propósito de "administrar ataques retaliatórios às fortalezas de agressão até que o mundo esteja desnuclearizado".

Medida: EUA enviam bombardeiros B-2 para exercícios militares na Coreia do Sul

Resposta: Líder norte-coreano ordena prontidão para atingir bases dos EUA

No domingo, após uma rara reunião de cúpula emergencial, o Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia (o principal partido da Coreia do Norte) descreveu as armas nucleares como "a vida da nação".

Embora o país tenha aumentado sua retórica de guerra e ameaças nos últimos dias, poucos acreditam que a Coreia do Norte possa realmente colocar em prática um conflito bélico de fato.

Dia 26: Coreia do Norte diz que colocou tropas em posição de combate contra os EUA

Dia 21: Coreia do Norte ameaça base dos EUA no Pacífico

Mesmo assim, o governo sul-coreano diz levar as ameaças do vizinho "muito a sério" mas, em Washington, um porta-voz do presidente americano, Barack Obama, disse que, "apesar da forte retórica que estamos ouvindo de Pyongyang, não estamos vendo mudanças na postura militar norte-coreana, tais como mobilizações em grande escala e posicionamento de forças".

*Com Reuters e BBC

Leia tudo sobre: coreia do nortecoreia do sulban ki moononuprograma nuclear

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas