Manifestações de apoio e repúdio a papa Francisco dividem argentinos

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Buzinaços foram ouvidos nas ruas de Buenos Aires logo após o anúncio da escolha; críticos acusam o novo papa de ter vínculo com a ditadura no país

BBC

Buzinaços foram ouvidos nas ruas de Buenos Aires logo após o anúncio da escolha do cardeal argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, como novo papa. Mas as comemorações logo deram lugar às manifestações de apoio ou repúdio ao novo pontífice.

Logo após o anúncio, fiéis católicos se reuniram nas escadarias da Catedral de Buenos Aires, no centro da cidade. Com bandeiras azuis e brancas, as cores da Argentina, gritavam: "O papa é argentino" e "Salve Bergoglio".

Habemus papam: Argentino Bergoglio é eleito papa e adota nome de Francisco

Perfil: Saiba quem é o cardeal Jorge Bergoglio, o papa Francisco

AP
Cardeal argentino Jorge Bergoglio realiza missa do lado de fora da Igreja San Caetano em Buenos Aires em 7 de agosto de 2009

CNBB: Novo papa é homem muito simples e próximo ao povo

A catedral fica a poucos passos da sede da Presidência da República, a Casa Rosada, e em frente à Praça de Maio, símbolo dos protestos em defesa dos direitos humanos e contra os crimes da ditadura (1966 - 1973), com a qual o agora papa Francisco foi acusado de colaboração por um jornalista local.

Nas ruas, a euforia durou poucos minutos. O clima ainda era de surpresa e, ao mesmo tempo, de orgulho com o nome de um papa argentino. "Temos rainha (princesa Máxima, mulher do príncipe herdeiro da Holanda), temos Messi e agora o papa", disse a comerciante Maribel Cortinez, de 36 anos.

Infográfico: Saiba como funciona o conclave para escolha do novo papa

Brasil: Dilma felicita novo papa e diz que fiéis o aguardam no Rio de Janeiro em julho

"Ele nos acolheu, nos abraçou e se emocionou com cada um de nós quando perdemos nossos filhos naquela tragédia de Cromañon", disse, nesta quarta-feira, o pai de uma das vítimas do incêndio em uma discoteca que deixou dezenas de mortos em 2004, em Buenos Aires.

Nas principais emissoras de rádio e de televisão do país, como os canais TN e C5N, comentaristas destacavam a "austeridade" de Bergoglio, que costumava viajar de metrô e de trem na capital argentina, e suas homilias criticando a exclusão social e a corrupção nos governos.

"Um povo que não cuida de suas crianças e de seus idosos é um povo em decadência", disse ele em uma missa.

Casamento gay

Suas declarações polêmicas incluíram a condenação publica ao então projeto do casamento entre pessoas do mesmo sexo, aprovado em 2010 no país, transformando a Argentina no primeiro país da região a adotar a medida.

Esportes: Filho de jogador de basquete, papa Francisco torce para o San Lorenzo

"Não sejamos ingênuos, não se trata de simples luta política, mas a pretensão destrutiva ao plano de Deus, o de um homem e uma mulher crescerem e se multiplicarem", afirmou.

Os sacerdotes que trabalharam com ele, em Buenos Aires, onde nasceu e foi cardeal, disseram à imprensa local que "ele condenou as críticas e a falta de respeito aos gays".

AP
Papa Francisco deixa a Basílica de Santa Maria em roma após fazer uma oração pela manhã (14/03)

Repercussão: Para líderes católicos no Brasil, escolha do novo papa significa 'abertura'

Fórmula: Como é feita a fumaça que sai da chaminé da Capela Sistina no conclave?

Outro tema controverso foi seu papel durante a ditadura argentina, com acusações de que teria sido "omisso" ou "cúmplice" naqueles anos de chumbo e, principalmente, suas diferenças públicas com o governo do ex-presidente Nestor Kirchner (2003-2007), morto em 2010, e de sua mulher e sucessora, a presidente Cristina Kirchner.

Em um discurso, transmitido ao vivo pelas emissoras de televisão do país, nesta quarta, Cristina Kirchner disse que espera que ele "defenda o diálogo" e "os excluídos". Mas quando ela citou o nome do papa Francisco, setores da platéia vaiaram e outros aplaudiram.

Cristina fez um gesto pedindo silêncio, e lembrou que Francisco "é o primeiro papa latino-americano". "É um dia histórico para a América Latina. Desejamos ao papa Francisco toda a sorte do mundo nesta missão pastoral." O público, então, aplaudiu.

Ditadura

O porta-voz da Presidência, Alfredo Scoccimarro, disse que a presidente comparecerá à posse do novo papa, no Vaticano. Analistas disseram às rádios locais que a presidente "não compareceria à posse caso Bergoglio tivesse vínculos com a ditadura".

Ínicio do pontificado: Missa inaugural de novo papa será em 19 de março

A polêmica sobre o posicionamento de Bergoglio durante a ditadura foi destaque nas redes sociais. "Um cardeal que não excomungou (o ex-ditador Jorge Rafael) Videla nunca será um papa para todos e todas", escreveu em seu mural no Facebook a transexual Melisa Stella Saagratta.

A denúncia sobre os supostos vínculos de Bergoglio com o regime militar foi feita pelo jornalista Horacio Verbitsky, no livro "El Silencio". Segundo ele, testemunhos de vítimas do regime indicavam em 1976 que Bergoglio, então chefe da congregação jesuíta na Argentina, teria retirado a proteção a dois sacerdotes de sua ordem que realizavam tarefas sociais em bairros pobres de Buenos Aires.

Os dois religiosos - Orlando Yorio e Francisco Jalics - foram detidos em 1976 e ficaram presos por cinco meses na Escola Mecânica da Marinha, local conhecido por ter sido um dos principais centros de tortura durante a ditadura argentina.

Bergoglio posteriormente rechaçou as acusações. "Fiz o que podia, com a idade que tinha e os poucos relacionamentos com que contava, para advogar por pessoas sequestradas", disse. Ele afirmou que não havia respondido às acusações imediatamente para "não fazer o jogo de ninguém, não porque tivesse algo a ocultar".

Início: Cardeais reúnem-se na Capela Sistina para eleger o próximo papa

Antes do conclave: Cardeal decano pede 'unidade' em missa

O cardeal também foi chamado como testemunha em processos relacionados à ditadura, como o caso do desaparecimento de uma mulher grávida, filha de uma das cofundadoras da organização Avós da Praça de Maio, ou o sequestro e assassinato de um padre francês na província de La Rioja, em 1976.

"Segundo a fonte que se consulte, Bergoglio pode ser definido como o homem mais generoso e inteligente que já existiu ou um maquiavélico que traiu seus irmãos e os entregou ao desaparecimento e à tortura aos militares", escreveu Verbitsky.

O Nobel da Paz Adolfo Perez Esquivel, que recebeu o prêmio por seu ativismo durante o último regime militar, disse à BBC que "o papa (Francisco) não tinha vínculos com a ditadura".

Olé: Diário esportivo compara Francisco a Maradona

O escritor Ceferino Reato, autor do livro "Disposición final", no qual Videla reconhece o desaparecimento de vítimas da ditadura, disse à BBC Brasil: "Bergoglio é austero, atento com o cotidiano dos pobres, apoia fortemente o trabalho dos sacerdotes nas favelas. É um homem inteligente e a favor do diálogo com o judaísmo e o islamismo. Sobre as acusações de seus supostos vínculos com a ditadura, Bergoglio disse que, ao contrário, que ele se preocupou com estes sacerdotes (dois jesuítas) e conseguiu que a Marinha os liberasse", disse.

Reato afirmou que "uma das criticas de Bergoglio ao casal Kirchner (Nestor e Cristina Kirchner) é que defendem os direitos humanos agora, na democracia, mas não o fizeram durante a ditadura", afirmou o escritor.

"Caráter forte"

Especialista em questões sobre a Igreja Católica, José Ignácio López disse à imprensa argentina que Bergoglio "sempre denunciou a corrupção" no país.

Galeria de fotos: Veja as imagens da eleição do novo papa

"De (ex-presidente Carlos) Menem até hoje, ele sempre denunciou a corrupção, condenou a inflação e esteve ao lado dos familiares das vítimas da tragédia da (discoteca Republica) Cromañon e da tragédia do trem na estação Once (na capital argentina, em 2012, que matou 51 pessoas)", afirmou López.

Setores da oposição ao governo central afirmam que "ninguém do governo compareceu nestas tragédias, mas ele sim". O padre Alejandro Bunge, professor da UCA (Universidade Católica Argentina), disse que Bergoglio tem "gênio forte, ouve muito, mas não deixa de dizer o que pensa de forma direta".

O rabino Abraham Skorka, reitor do Seminário Rabínico Latino-americano, em Buenos Aires, contou à imprensa local que costuma conversar com Bergoglio e que ele "ouve os diferentes credos". "E que Deus o abençoe, porque merece estar ali", disse.

A série de comentários sobre o novo papa incluiu declarações de apoio de políticos da oposição ao governo da presidente Cristina Kirchner, com quem Bergoglio mantinha diferenças públicas.

"Quando saiu o anúncio do nome de Bergoglio como papa, a bancada do governo na Câmara dos Deputados parecia que estava num velório. Por favor, é o primeiro papa latino-americano e deveríamos estar comemorando", disse a deputada Elisa Carrió, da opositora Coalición Cívica.

O deputado e cineasta Fernando "Pino" Solanas, do Projeto Sur, afirmou "lamentar" que o governo atual "não tenha dialogado com Bergoglio, homem preparado, defensor dos excluídos e do diálogo com os diferentes setores e credos".

Antes de ser papa, Bergoglio foi definido como "muito argentino" e "muito portenho" na biografia "El Jesuíta" ("O Jesuíta") assinada pelos jornalistas Sergio Rubin e Francesca Ambrogetti, de Buenos Aires. "Torcedor do time de futebol San Lorenzo, apaixonado por tango e leitor do escritor Jorge Luis Borges", descreveram.

Veja imagens da trajetória de papa Francisco:

Papa Francisco coloca suas vestes de papa após anúncio de seu nome na varanda da Basílica de São Pedro, no Vaticano, em 13 de março de 2013. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio fala com fiéis do lado de fora da Igreja de San Cayetano em Buenos Aires em 7 de agosto de 2009. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio realiza missa do lado de fora da Igreja San Caetano em Buenos Aires em 7 de agosto de 2009. Foto: APEntão papa Bento 16 aperta as mãos do arcebispo de Buenos Aires Jorge Bergoglio em 13 de janeiro de 2007. Foto: APCardeal argentino Jorge Bergoglio celebra missa em honra ao papa João Paulo 2º na Catedral de Buenos Aires, em 4 de abril de 2005. Foto: APFoto dos anos 1950 mostra Jorge Mario Bergoglio, direita, posa com colegas de escola preparatória em Buenos Aires, Argentina. Foto: AP
Leia tudo sobre: Cristina Kirchnerpapa franciscoArgentinabergoglioconclavevaticano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas