Recifes artificiais recuperam fauna na costa do Paraná

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Iniciativa de ONG está lançando blocos de concreto na costa paranaense para atrair espécies ameaçadas de peixes e combater degradação causada pela pesca de arrasto

Agência Estado

EFE
Cardume nada ao redor das estruturas de cimento nos mares das Filipinas: iniciativa semelhante acontece na costa do Paraná

O maior projeto de recifes artificiais em atividade no País retomou em janeiro o lançamento de blocos de concreto na costa do Paraná. Após atrair espécies ameaçadas de peixes como o mero e revigorar a pesca artesanal da região, o Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (Rebimar), implementado há um ano e meio, vai dobrar sua estrutura até o fim de março ao lançar no fundo do mar um total de 2.560 blocos, a 4,2 km das praias do Pontal do Paraná.

O projeto, da Associação MarBrasil, tem como objetivo principal a conservação e o incentivo à reprodução de espécies locais, mas serve também como fonte de estudos para a Universidade Federal do Paraná (UFPR), corresponsável pela implantação.

São três trabalhos em andamento: no local, levantando a população de peixes e organismos que colonizam os recifes; de controle do desembarque pesqueiro da frota na orla para evitar superexploração; e, finalmente, de atuação nas comunidades, com planos de manejo.

Entenda: Índice de saúde dos oceanos mostra mau estado das regiões costeiras

Em 2011, em uma área de quase 12 quilômetros, foram colocados 120 blocos de concreto, ao longo de dez pontos, para a formação dos recifes artificiais. Segundo o zoólogo Ariel Scheffer, presidente da Associação MarBrasil, um dos motivos para o uso do concreto é que, além de não liberar metais pesados, dá a chance de moldar a estrutura conforme as necessidades. 

"A estrutura dos recifes tem de ser robusta para não se esfarelar no mar", explica o pesquisador. "E com seis meses de imersão ou menos, o pH (potencial hidrogeniônico) fica igual ao da água."

Desde que os primeiros blocos foram lançados, cerca de 80 espécies de organismos já se integraram às estruturas subaquáticas - dessas, 20 são tipos diferentes de peixes. O mais raro é o mero, cuja proibição de caça no País foi prorrogada no fim do ano passado por mais três anos.

"Tivemos o retorno do mero em grande quantidade, a partir da instalação do recife, e hoje é possível ver muitos filhotes em diversos pontos", diz Scheffer. "A população de garoupas, que também estão sendo bastante impactadas na costa brasileira, é outra que está crescendo."

As estruturas também combatem a degradação causada pela pesca de arrasto, inibindo o uso de redes.

Leia:
Eletricidade ajuda na sobrevivência dos corais de Bali
Ambientalistas pedem que ONU congele projetos de geoengenharia
Vídeo: Austrália afunda navio para formar recife artificial

Com o aumento na quantidade de peixes, o projeto beneficia diretamente cerca de 200 pescadores artesanais que atuam na região próxima à Baía do Paranaguá e tem atraído até mesmo comunidades vizinhas. Segundo os idealizadores, há possibilidade de expandir o projeto caso surjam novas demandas - há conversas com representantes de Matinhos, uma cidade próxima.

Uma das preocupações dos idealizadores tem sido garantir que os peixes não se fixem no local após fazer a reprodução e buscar alimentos. Além disso, há um rodízio de pesca nos blocos para evitar que algum deles sofra uma superexploração.

Legislação
O projeto no Paraná é o primeiro a ser licenciado pelo Ibama desde a regulamentação, em 2008 - até então, as autorizações eram obtidas em caráter especial. Segundo o órgão ambiental, estão abertos 13 processos para implementação ou regularização de recifes semelhantes ao longo de todo o litoral, mas somente quatro estão efetivamente em atividade.

"Provocamos a legislação para que ninguém possa jogar uma estrutura no mar sem planejamento adequado. Uma empresa de pneu, por exemplo, poderia jogar material e dizer que era um projeto ambiental", diz Scheffer.

Segundo ele, a colocação de recifes artificiais com foco na conservação pode se multiplicar na costa brasileira com a regulamentação e os exemplos bem-sucedidos. "O modelo se mostrou bastante viável, pois os recifes atraem a mesma biodiversidade da região e simulam o ambiente natural. É um projeto que pode ser multiplicado." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: recifesrecifes artificiaisparanácostafaunabiologiaecossistema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas