Especialistas apontam o que deve ser esperado da Rio+20

Políticos, pesquisadores e ambientalistas falam sobre a urgência do debate sobre desenvolvimento sustentável

AFP | - Atualizada às

AFP

Autoridades políticas, ONGs, pesquisadores e empresários consultados pela AFP opinaram sobre o que se pode esperar da reunião de cúpula sobre o meio ambiente que será realizada no Rio de Janeiro de 20 a 22 de junho:

Agência Brasil
A presidente Dilma quer um modelo de crescimento 'que não seja muito confuso ou fantasioso'

Dilma Rousseff, presidente, no Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas:

"Teremos uma missão difícil, que será a de propor um modelo de crescimento que não seja muito confuso ou fantasioso."

"Devemos fazer propostas que levem em conta que milhões de pessoas não têm acesso às condições mínimas de vida."

"Deve-se formular um plano de crescimento sustentável a partir do qual o mundo será melhor se respeitarmos o meio ambiente, tirarmos as pessoas da miséria e conseguirmos nos desenvolver."

- Sir John Sulston, da Universidade de Manchester, numa contribuição a um relatório sobre demografia e meio ambiente:

"O mundo tem uma opção muito clara. Podemos escolher reequilibrar o uso dos recursos segundo um esquema de consumo mais igualitário e reformular nossos valores econômicos, para refletir realmente sobre o que nosso consumo significa para o planeta e ajudar os indivíduos de todo o mundo a tomar decisões informadas e livres. Ou podemos escolher não fazer nada e nos deixar levar por um redemoinho de problemas econômicos, sociopolíticos e ambientais que conduzem a um futuro menos equitativo e inóspito."

Divulgação CEBDS
Brice Lalonde afirma que é preciso desbloquear o caminho para o desenvolvimento sustentável

- Brice Lalonde, ex-ministro francês do Meio Ambiente, coordenador executivo da conferência:
"Os governos estão lutando contra a crise, com o olhar voltado para o imediato. A Rio+20 os convida a esboçar serenamente um futuro para o mundo. Fazer as duas coisas é difícil, mas é o papel dos chefes de Estado."

"É preciso desbloquear o caminho para as metas universais de desenvolvimento sustentável para a Humanidade, e, ao mesmo tempo, manter, inclusive acentuar, os esforços para erradicar a miséria."

- Julia Marton-Lefevre, diretora geral da União Internacional para a Preservação da Natureza:

"Quanto mais biodiversidade se perde, mais vulneráveis ficamos às mudanças climáticas e às crises alimentar, hídrica e energética. Nosso principal desejo para a Rio+20 é que os governos e empresários vejam a necessidade de se investir na natureza, e que o façam rapidamente."

Getty Images
Para Philippe Joubert, mundo não pode continuar funcionando cse o capital natural fosse ilimitado

- Philippe Joubert, do Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável :

"Não podemos continuar funcionando como se o capital natural do planeta fosse ilimitado e gratuito."

"O ponto sem retorno se aproxima, o mundo empresarial deve participar, mas é necessário que os governos fixem regras claras."

- Manish Bapna, do grupo americano World Resources Institute:

"O mundo mudou profundamente nos últimos 20 anos devido à expansão da classe média, motivo pelo qual consumimos mais, usamos mais energia, exercemos mais pressão sobre os recursos naturais. A pobreza diminui, mas a desigualdade aumenta. Esta é uma oportunidade para incluir o desenvolvimento sustentável no centro da agenda política e econômica." 

    Leia tudo sobre: rio+20rio 20rio20

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG