Pesquisa aponta evidências científicas sobre a chegada da malária ao continente

selo

Mapa desenvolvido durante a pesquisa mostra a disseminação da doença
BBC
Mapa desenvolvido durante a pesquisa mostra a disseminação da doença
A disseminação da doença, que afeta meio bilhão de pessoas em todo mundo a cada ano, era objeto de debate entre os pesquisadores.

A propagação da doença nas Américas por meio dos escravos africanos ou dos colonizadores europeus já era uma possibilidade aventada. Até agora, no entanto, hão havia evidências científicas sobre a chegada da malária ao continente.

A descoberta feita pela equipe do professor Francisco Ayala, que colheu amostras de sangue humano infectado em 24 regiões afetadas, na África, no Oriente Médio, no Sudeste Asiático e na América do Sul.

Os detalhes do estudo estão na publicação Proceedings of the National Academy of Science (PNAS).

Diferença genética
Até o momento, são conhecidas cinco espécies de parasitas causadores da doença. O mais letal e presente na maioria das regiões afetadas é o Plasmodium falciparum .

Leia mais:
Origem da malária é anterior ao homem, diz estudo
Descoberta nova droga que promete tratar a malária com dose única
Desmatamento da Amazônia aumenta incidência de malária
Mosquito da malária tem sumiço misterioso na África
Cientistas identificam 32 compostos que atacam cepas da malária

A análise de DNA mostrou que na América do Sul existem duas subdivisões do parasita. Uma delas presente na selva colombiana. A outra afeta populações da Guiana Francesa, Brasil e Bolívia.

Os exames mostraram que os dois tipos genéticos do Plasmodium falciparum foram introduzidos nessas regiões de forma independente, entre os séculos 16 e 19, durante o período do tráfico negreiro.

O professor Ayala diz que "algumas pessoas argumentam que a doença existia na região há milhares de anos".

"O que mostramos, claramente, é que a malária maligna está na América do Sul há uns 300 ou 500 anos", diz.

Implicação para a saúde
Para o pesquisador, mais do que interesse histórico a descoberta pode ter “implicações importantes para a saúde”.

"A descoberta revela a influência da migração humana na diversidade genética do Plasmodium falciparum ", diz.

A doença é endêmica em regiões tropicais, sobretudo na África, na Ásia e em partes das Américas, atingindo sobretudo populações mais pobres. Mais de um milhão de pessoas morrem a cada ano vítimas da malária.

Segundo Ayala, os resultados "podem explicar a resistência da malária aos medicamentos".

Os cientistas já apontavam que o parasita Plasmodium falciparum tivera origem na África. Alguns estudos sugeriram que a doença se espalhou junto com o Homo sapiens.

Uma das teorias levantadas era a de que o Plasmodium falciparumteria se alastrado pelas regiões tropicais e subtropicais há 6 mil anos.

O surgimento das sociedades agrícolas, então estabelecidas em um local determinado, fizeram aumentar a propagação de mosquitos e, consequentemente, da malária.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.