No mês de aniversário, linhas da CPTM têm problemas em pelo menos 15 dias

Dos 31 dias de maio, trens metropolitanos de São Paulo tiveram problemas em quase metade do mês; usuários reclamam

Daniel Torres, iG São Paulo |

No mesmo mês em que faz 20 anos de fundação, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) encerra maio com uma estatística que não pode ser comemorada. Dos 31 dias do mês, em 15 ocorreram problemas em pelo menos uma das linhas de trens distribuídas por cidades da Grande São Paulo, segundo reconhece a própria companhia.

Aperto: Lotação supera o limite aceitável em três linhas da CPTM
Alguns problemas do mês:
dia 30 , dia 29 , dia 25 , dia 23 , dia 16 , dia 15 , dia 03

ADRIANO LIMA/FRAME/AE
Passageiros lotam plataforma em dia de problema na linha da CPTM
As causas dos problemas são diversas. De trens de passageiros que precisam diminuir a velocidade devido à presença de trens de carga na linha, passando por defeitos na sinalização e queda de energia, até chegar a linhas inteiras paralisadas por conta de greve de funcionários.

Assim como as causas, os prejudicados também são muitos. Aproximadamente 2,7 milhões de passageiros utilizam as linhas todos os dias. “Sempre tem problema, não tem dúvida. Os maiores problemas são a lotação e a lentidão. Às 17h sempre fica parado porque a energia está baixa. O trem fica parado por muito tempo na estação. Quatro, cinco minutos e aí quando vai sair está tão cheio que não consegue fechar as portas”, reclama Mauro de Souza Macedo, corretor de vendas de um banco.

Alexandre Dall´Ara
O corretor de vendas durante trajeto pela Linha 9-Esmeralda da CPTM
A CPTM gerencia seis linhas de trens na Grande São Paulo e nenhuma delas escapou dos problemas em maio. A greve de funcionários de duas linhas, no dia 23, e o acidente com duas composições do Metrô, no dia 16, ajudaram a ampliar os problemas.

Mas foi o dia 18 o que apresentou problemas em mais linhas, quando um defeito na linha 8-Diamante prejudicou, em cascata, os usuários de outras 4 linhas. “O problema é sempre o mesmo, atraso e lotação. E quando está lotado, você não vê um funcionário para ajudar. A lotação é pior no Grajaú e Santo Amaro (Linha 9). Hoje mesmo (ontem, 31) o trem ficou parado mais de 40 minutos no Grajaú (dia em que a CPTM diz que não houve problemas). Isso atrapalha a gente, está sempre lotado, atrasa e o problema é que mal temos tempo de reclamar. Não tem opção”, reclama a diarista Maria Sônia Pereira de Andrade, de 53 anos.

Alexandre Dall´Ara
Maria Sônia Pereira de Andrade passando a catraca de estação de trem
A linha mais problemática do mês foi a 12-Safira, que liga as estações Brás - onde fica o centro de controle da CPTM - a Calmon Viana, com problemas em sete dias do mês, incluindo greve, reflexos do acidente do Metrô e ações de vandalismos dos próprios usuários. A segunda linha mais problemática foi a 9-Esmeralda, que liga Osasco ao Grajaú, com cinco ocorrências. Essa linha tem passado por constantes obras nos últimos meses, ficando fechada em vários finais de semana, para modernização.

“Sempre tem problema nessa linha por falta de energia, lotação, por não conseguir fechar as portas. O trem para muito tempo nas estações. A gente acaba atrasando, perdendo tempo, perdendo serviço”, diz Antônio Bernardino de Lima, aposentado de 72 anos e office boy, na estação Cidade Jardim, na Linha 9.

Alexandre Dall´Ara
Aposentado, Antônio Bernardino de Lima ainda trabalha como office boy e enfrenta os problemas dos trens da CPTM
Nem mesmo o Centro de Controle Operacional Unificado, no Brás, que segundo a CPTM é considerado o mais moderno das ferrovias brasileiras, tem sido suficiente para diminuir o sofrimento dos passageiros. Das seis linhas, apenas a 10-Turquesa (Brás - Rio Grande da Serra) não é controlada pelo centro. Ela também é uma das três que registraram problemas em ‘apenas’ três dias de maio, assim como as linhas 8-Diamante (Júlio Prestes – Itapevi) e a 11-Coral (Luz – Estudantes).

Respostas

A companhia é cobrada constantemente pelos usuários nas redes sociais e reconhece as dificuldades, mas afirma que tem feito investimentos para melhorias na rede. Com uma resposta padrão, repetida aos usuários que reclamam de problemas, a empresa afirma que está tentando reverter a rotina de problemas. A CPTM diz que sabe das dificuldades, mas esclarece algumas ações que vem tomando para diminuir as falhas e melhorar os serviços. "Estamos realizando obras de modernização em todas as 6 linhas, investindo cerca de R$ 1 bi em 2012 na construção e modernização das estações, implantação de novos sistemas de sinalização, energia, rede aérea, via permanente, além de investimentos específicos para a renovação da frota”, diz post no Twitter. Procurada pela reportagem para explicar as causas dos problemas em alguns dias específicos, a CPTM não retornou a solicitação.

*Colaboraram Carolina Garcia e Alexandre Dall´Ara, iG São Paulo

    Leia tudo sobre: são paulotrenscptmmetro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG