Postura de Jair Bolsonaro diante da Guerra na Ucrânia não agrada 48% dos brasileiros
Reprodução: Flickr - 08/03/2022
Postura de Jair Bolsonaro diante da Guerra na Ucrânia não agrada 48% dos brasileiros

Pesquisa Ipespe , da XP Investimentos divulgada nesta sexta-feira (11) indica que 48% desaprovam a postura de  Jair Bolsonaro (PL) em relação à guerra causada pela invasão da Rússia à Ucrânia .

O levantamento mostra que 33% avaliam como "totalmente errada" a maneira como o presidente se porta em relação ao tema, enquanto 15% consideram sua postura como "parcialmente errada", totalizando 48%.

Os que apoiam Bolsonaro diante da guerra somam 42% — 25% o consideram "totalmente correto" e 17%, "parcialmente correto". Os que não souberam ou não responderam são 10%. A margem de erro é de 3,2 pontos para mais ou para menos.

Avaliação da postura do presidente Bolsonaro em relação ao conflito:

Totalmente correta: 25%
Parcialmente correta: 17%
Parcialmente errada: 15%
Totalmente errada: 33%
Não sabe/não respondeu: 10%

Ainda, 56% dos entrevistados acreditam que a Ucrânia tem mais razão no conflito e apenas 8% responderam ser a Rússia. 

Quem tem mais razão no conflito?

Ucrânia: 56%
Rússia: 8%
Nenhuma das duas: 17%
As duas têm razão: 3%
Não sabe/não respondeu: 17%

No entanto, para a maioria dos entrevistados (62%) pelo Ipespe, o Brasil deveria ficar neutro e não apoiar nenhum dos dois países.

O Brasil deveria apoiar a Rússia ou a Ucrânia no conflito?

O Brasil deveria ficar neutro e não apoiar nenhum dos dois: 62%
Ucrânia: 29%
Rússia: 2%
Não sabe/não respondeu: 7%

Bolsonaro também defende que o Brasil deve se manter neutro  desde o início do conflito. Na sexta-feira passada (4), o mandatário afirmou que o país não escolheria um lado e teria uma postura de equilíbrio, isenção e respeito a todos.

Leia Também

Na tarde de ontem (10), o presidente e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, receberam os brasileiros que fugiram da Ucrânia e foram repatriados em voo da FAB (Força Aérea Brasileira).

Entre os entrevistados, 97% tem conhecimento sobre a guerra e apenas 3% disseram não saber.

Questionados sobre a percepção da chance de uma guerra maior, envolvendo outros países, 33% avaliam que há uma chance alta; 32%, média; 17%, pequena; 12% avaliam que não há chance; e 7% não souberam ou não responderam.

Percepção da chance de um conflito maior envolvendo outros países

Há uma chance alta: 33%
Há uma chance média: 32%
Há uma chance pequena: 17%
Não há nenhuma chance de acontecer conflito maior envolvendo outros países: 12%
Não sabe/não respondeu: 7%


A pesquisa foi realizada no período de 7 a 9 de março e entrevistou mil pessoas de 16 anos e mais de todas as regiões do país, por telefone. O intervalo de confiança é de 95,5%. Os percentuais que não totalizam 100% são decorrentes de arredondamento ou de múltiplas alternativas de resposta. O levantamento foi registrado junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o protocolo BR-03573/2022.

O Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas) é uma empresa de pesquisas fundada em 1986 e com sede no Recife. O instituto geralmente faz pesquisas eleitorais por telefone. 

A invasão da Ucrânia completa hoje 16 dias e já deixou ao menos 549 civis mortos e 957 feridos, informou o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos ontem. Além disso, a ONU confirmou nesta sexta-feira que  mais de 2,5 milhões de refugiados já deixaram a Ucrânia desde o início do conflito.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.



    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários