Tamanho do texto

“A pesquisa mal feita apenas reforça a necessidade de continuar explicando aqui no Twitter o projeto de lei anticrime”, disse o Ministro da Justiça

Sergio Moro tira selfie segurando calendário
Reprodução/Twitter
Sergio Moro usou o recém-criado perfil no Twitter para fazer suas críticas

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi ao Twitter na manhã desta quinta-feira (11) para questionar os resultados da pesquisa realizada pelo Datafolha sobre segurança pública e relacionada ao projeto anticrime. De acordo com o levantamento, maioria dos brasileiros é contra flexibilização da posse de armas .

“A pesquisa mal feita apenas reforça a necessidade de continuar explicando aqui no Twitter o projeto de lei anticrime”, disse Sergio Moro . Para o ministro, a afirmação de que a pesquisa trata do projeto de lei anticrime é indevida. “Bem, nenhuma das perguntas feitas na pesquisa diz respeito a medidas constantes no projeto de lei anticrime”, afirmou.

O Datafolha perguntou aos cidadãos sobre a posse de armas, a confiança nas instituições brasileiras, como a Polícia e o excludente de ilicitude – que consta no projeto anticrime. Moro explica que “ nada há no projeto que defenda licença para policiais atirarem em inocentes ou mesmo em suspeitos ou que episódios assim não devam ser investigados”.

O questionamento do ex-juiz sobre a metodologia da pesquisa está em consonância com a atitude do próprio presidente Jair Bolsonaro, que criticou outros levantamentos recentemente .

Moro ainda aproveitou a oportunidade para defender as consultas e fazer uma sugestão: “Pesquisas de opinião são importantes para auxiliar na construção de políticas públicas. Ainda espero que alguma possa ser feita sobre o projeto de lei anticrime e seus pontos chaves”, disse. “Perguntar sobre a opinião das pessoas acerca da execução imediata da condenação criminal após julgamento por Corte de Apelação, um ponto fundamental do projeto”, completou.

Sergio Moro prometeu voltar à rede social  recém inaugurada para dar mais explicações sobre seu projeto, que aguarda tramitação no Congresso .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.