Registro de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a guerra na Ucrânia
Eskinder Debebe/ UN Photo
Registro de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a guerra na Ucrânia

Em evidência desde que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia começou, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) tem como principal atribuição manter a paz e a segurança a nível internacional. Mas o grupo criado em 1945, após a Segunda Guerra Mundial, não tem tido êxito.


"O conselho está defasado pois foi concebido há muitas décadas", critica o embaixador Cesário Melantonio Neto, colunista do iG.


Ela afirma que o  Brasil tem buscado rever a composição obsoleta do grupo, mas as grandes potências "não têm interesse em uma revisão do sistema internacional". "Querem o congelamento da situação que lhes interessa, mas não [interessa] às potências médias, como o Brasil", acrescenta.

Embaixador Cesário Melantonio Neto
Divulgação
Embaixador Cesário Melantonio Neto



Enquanto isso, além do conflito russo-ucraniano deflagrado em fevereiro, o mundo registra confrontos armados no Iêmen, na Etiópia, na Síria e em outros diversos países.


Diante desse cenário, a efetividade do conselho tem sido questionada. Composto por 15 países, o colegiado tem a Rússia entre seus membros permanentes e, com isso, a primeira resolução que condenava a invasão na Ucrânia foi barrada - o  embaixador russo usou o poder de veto concedido às nações com assento fixo para impedir a publicação do texto.

Leia Também


Ao todo, são cinco os membros permanentes do grupo. Além de Rússia e Estados Unidos, França, China e Reino Unido compõem o quadro. Já os 10 não-permanentes atualmente são: Albania, Gabão, Gana, Índia, Irlanda, Quênia, México, Noruega, Emirados Árabes Unidos e Brasil, cujo mandato de dois anos se encerra em 2023.


"A entrada nossa, com Índia, Alemanha e Japão como membros permanentes do conselho, daria uma renovação necessária no atual sistema esclerosado. Vamos ter de continuar a lutar com afinco por uma inclusão como membro permanente. Esse processo perdeu ritmo ultimamente, mas devemos retomar com maior empenho essa pretensão", defende Melantonio Neto.



A Carta das Nações Unidas estabelece que a escolha dos membros temporários deve considerar a contribuição de tais países para a manutenção da paz e da segurança, bem como uma distribuição geográfica equitativa. A composição atual, por exemplo, conta com representantes da Europa, África, Ásia e Américas.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

** Ailma Teixeira é repórter nas editorias Último Segundo e Saúde, com foco na cobertura de política e cidades. Trabalha de Salvador, na Bahia, cidade onde nasceu e se formou em Jornalismo pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), em 2016. Em outras redações, já foi repórter de cultura e entretenimento. Atualmente, também participa do “Podmiga”, podcast sobre reality show, e pesquisa sobre podcasts jornalísticos no PósCom/Ufba.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários