Gravações do dia da invasão mostraram
Brendan Smialowski/Reprodução
Gravações do dia da invasão mostraram "participação" e influência de Trump no episódio

Consideradas um dos pontos altos da acusação contra o ex-presidente Donald Trump no julgamento do impeachment no Senado , novas imagens da invasão ao Capitólio, exibidas na quarta-feira (10), revelaram o elevado grau de risco à vida dos congressistas, assessores e mesmo do ex-vice Mike Pence.

Por alguns momentos, a distância entre os parlamentares e os invasores, alguns de posse de bastões de beisebol e armas de choque, foi de alguns metros — e se não fosse a ação rápida e eficiente dos policiais legislativos, o dia 6 de janeiro poderia ter acabado em um massacre sem precedentes .

Caçada a Pence

Responsável por conduzir a sessão do Senado que certificaria a vitória de Joe Biden,  Mike Pence se tornou alvo dos aliados de Trump por se recusar a levar adiante seus planos para invalidar a eleição. Com isso, muitos dos que foram ao Capitólio viam nele um “traidor”, como ficou explícito em cartazes e mesmo forcas do lado de fora do prédio. Contudo, uma vez dentro do complexo, as ameaças se tornaram reais.

"Os  extremistas se coordenaram on-line e discutiram como eles poderiam caçar o vice-presidente. Jornalistas no Capitólio os ouviram dizer que estavam procurando Pence para executá-lo", afirmou o deputado Eric Swalwell, do grupo de deputados que atua como a Promotoria no julgamento.

Nas imagens de câmeras de segurança, até agora inéditas, é possível ver Pence e sua família sendo levados para um local seguro, enquanto os invasores o procuravam a menos de 30 metros de distância. Na hora da invasão, quando a sessão ainda estava em andamento, estiveram a poucos passos de invadir o plenário.

Além de Pence, a presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi , era procurada pelos extremistas, que chegaram a invadir seu gabinete. Um deles, como mostravam as imagens, carregava um bastão com capacidade de dar choques elétricos — ele foi preso posteriormente. As câmeras mostraram assessores de Pelosi sendo levados por seguranças para uma outra sala pouco antes do ataques dos trumpistas.

Por pouco

Outro trecho destacou o trabalho do policial Eugene Goodman na proteção dos congressistas , em especial do senador republicano Mitt Romney: ao tentar escapar do plenário, ele estava indo em direção aos invasores, mas o agente recomenda outro caminho, mais seguro. O mesmo aconteceu com o líder da maioria democrata, o senador democrata Chuck Schumer. As imagens mostram os policiais protegendo o congressista, que ficou a “poucos metros” dos trumpistas. Em outra parte da apresentação, alguns deputados abrigados em salas próximas ao plenário são orientados a remover seus broches funcionais, dificultando assim a identificação.

Você viu?

Batalhas

Em menor número, os policiais que estavam do lado de fora do Capitólio relataram, em gravações mostradas no plenário, o desespero diante dos invasores. Relatos de feridos começaram a se multiplicar, assim como os pedidos por ajuda.

"Eles estão começando a desmontar uma barreira", diz um policial. "Estão jogando pedaços de metal na gente".

Uma das imagens mais impactantes, da câmera corporal de um dos agentes, o mostrou sendo agredido com pedaços de pau, mastros de bandeiras de Trump e bastões de beisebol enquanto tentava impedir que trumpistas invadissem uma das entradas do Capitólio . Em outro momento, igualmente chocante, um policial já dento do prédio é esmagado em uma porta por uma multidão raivosa enquanto grita de dor. O agente, identificado mais tarde como sendo Daniel Hodges, não se feriu, e posteriormente declarou à NBC “ter sido um prazer esmagar uma insurreição nacionalista branca”.

‘Papai pode não voltar para casa’

Além dos videos, os democratas mostraram uma série de postagens em redes sociais sinalizando que os apoiadores de Trump estavam prontos para usar a violência. Em um deles, um homem afirma ter tido “uma conversa difícil com os filhos”, na qual afirmou que poderia “não voltar para casa” de Washington.

"Uma vez que ele (Trump) os convidou, os invasores não se preocuparam em esconder seus planos", afirmou a delegada pelas Ilhas Virgens Stacey Plaskett. "Eles publicaram planos exatos do ataque, abertamente, orgulhosamente, tudo isso em fóruns públicos".

Inação de Trump

Os democratas também reforçaram a ideia de que Donald Trump não agiu para evitar o ataque ao Capitólio , mesmo quando os seus apoiadores já ocupavam corredores e salas do complexo. Ao delimitar a linha do tempo de 6 de janeiro, o deputado David Ciciline apontou que, ao invés de acalmar os ânimos, Trump usou o discurso mais cedo naquele dia para elevar o tom. E que, mesmo durante o ataque, parecia mais preocupado em convencer deputados e senadores a apoiarem sua estratégia de reverter os resultados das eleições.

"Na verdade, a única pessoa que ele condenou no dia 6 de janeiro foi o vice-presidente Mike Pence , que estav escondido neste prédio com sua família, temendo por sua vida. Nas primeiras horas desse ataque violento, ele não fez nada para impedir, nada para nos ajudar", afirmou Cicilline.

Em seguida, o deputado Joaquin Castro mostrou o vídeo de um dos invasores lendo, em um megafone, as exatas palavras do tuíte de Trump atacando Pence. Para a acusação, essa mensagem ajudou a construir a imagem de "traidor" do vice-presidente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários