Vereadora foi assassinada em março de 2018
Reprodução/Flickr
Vereadora foi assassinada em março de 2018

Nesta quarta-feira (28), a Polícia Civil da Paraíba prendeu um chefe de milícia acusado de ser o mandante da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março de 2018 . A identidade do homem não foi revelada pelas autoridades, mas, segundo o jornal Congresso em Foco , trata-se de Almir Rogério Gomes da Silva, chefe da milícia da Gardênia Azul e do Morro do Tirol.

O suspeito foi preso no município de Queimados (cerca de 140 km de João Pessoa), pelos policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco). A ação foi um pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), que investiga o caso, ainda em andamento.

De acordo com as informações do jornal, o acusado estaria na companhia de outro homem, que também foi preso. 

Ainda conforme o Congresso em Foco , a denúncia do MPRJ seria referente a outro crime cometido por Almir, em 12 de outubro de 2018, na zona oeste do Rio de Janeiro. O suspeito e mais três homens teriam assassinado uma pessoa que brigou com a esposa em público durante uma festa, atitude que não teria agradado milicianos.

Julia Lotufo, viúva do ex-capitão do Bope e miliciano Adriano da Nóbrega, então, teria sido a responsável por revelar a relação entre Almir e a morte de Marielle . O ex-marido de Lotufo foi morto em uma troca de tiros com policiais na Bahia, no início do ano passado. Ele, no entanto, não foi interrogado pelos agentes sobre qual teria sido sua participação no assassinato da vereadora.

Você viu?

A mulher também teria apresentado outras duas versões diferentes sobre o mandante do assassinato . Na primeira, Marielle teria sido vítima de um "consórcio de matadores" patrocinado pelo ex-vereador do Rio Cristiano Girão, pelo vereador Marcelo Siciliano e pelo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Domingos Brazão.

Depois, ao ser confrontada com o fato de que Siciliano e Brazão são rompidos, Júlia disse que Girão seria o mandante do crime. A motivação, segundo a viúva de Adriano, teria sido a contrariedade com a atuação da vereadora nas favelas da Gardênia Azul e Cidade de Deus. Girão nega.

"Parte dos milicianos ligados ao homem capturado em Queimadas hoje foi presa em operações policiais naquele estado. Mas ele, que é um dos chefes desse grupo, conseguiu escapar dessas investidas. Trata-se de um criminoso muito perigoso, com indícios fortes de que estava traficando drogas e planejando ataques a instituições financeiras no nosso estado", disse Diego Beltrão, delegado que coordenou a operação, ao jornal.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários