Henry Borel, completaria 5 anos hoje
Reprodução
Henry Borel, completaria 5 anos hoje

Nesta segunda-feira (03), a Polícia Civil do Rio de Janeiro encerrou nesta tarde a investigação do caso de assassinato do menino Henry Borel, morto no dia 8 de março, no apartamento onde residia sua mãe Monique Medeiros e seu marido, Dr. Jairinho , na Barra da Tijuca, zona oeste de cidade. Caso será encaminhado para o Ministério Público do Rio (MPRJ). As informações foram apuradas pelo Uol.

As autoridades solicitam à Justiça a prisão preventiva do vereador e da professora, como os autores da morte do menino que estaria completando cinco anos hoje. Eles serão indiciados pelo crime de homicídio duplamente qualificado com tortura e recursos que impossibilitara a defesa da vítima.

Fontes relacionadas ao caso relataram que o inquérito foi encerrado após oito semanas de apuração. Dados do celular de Jairinho foram atribuídos ao processo. O vereador e Monique estão presos desde 8 de abril sob a suspeita de ameaçar testemunhas e por correr de risco de atrapalharem o andamento do caso. 

Através de uma carta , Monique conta aos seus familiares que Jairinho é um “homem ruim, doente, psicopata e esquizofrênico”. Através do texto revelado pelo ‘Fantástico’, ela diz que Henry a atentava sobre seu companheiro e que só passou a enxergar um outro lado do vereador após ter sido presa.

 "Eu acreditava no Jairinho, cegamente e não sei por quê. Meu filho dizia que ele era um homem mau. E eu não acreditei”.

A professora ainda escreveu mais quatro cartas e uma delas foi designada para Leniel Borel , pai de Henry. Braz Sant’Anna, advogado de Jairinho, declara que "a defesa de Monique adotou esta linha de defesa, a nosso ver, bastante inconsistente, que não convenceu o próprio ex-companheiro (Leniel). No curso do processo, cairá por terra mais esta versão defensiva”.

Com a acusação pela morte de Henry , Monique e Jairinho eram defendidos pelos mesmos advogados. Porém, a mãe do menino decidiu trocar de representantes e novo time de defesa pediu para que Monique fosse ouvida mais uma vez pelas autoridades. Entretanto, os investigadores se manifestaram concluindo que mesmo com novo depoimento da suspeita, o rumo das investigações não seria alterado. 


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários