João Doria, governador do estado de São Paulo
Governo do Estado de São Paulo
"Se não, nem passaria da segunda fase", afirmou João Doria


O governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou nesta terça-feira (4) que a declaração da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a possibilidade de nunca haver uma vacina contra a Covid-19 , doença transmitida pelo  novo coronavírus.


Doria afirmou que é preciso “ter um pouco de otimismo realista”. O governador é um grande entusiasta de uma das vacinas que está em teste e em desenvolvimento atualmente no Brasil. Trata-se da Coronavac, vacina da chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan.

A vacina é uma das 164, segundo a OMS , que estão sendo desenvolvidas para imunizar humanos da Covid-19

A Coronavac está na Fase 3 de testes e, atualmente, está sendo aplicada em 9 mil voluntários. Todos são profissionais da área de saúde que trabalham na linha de frente da pandemia.

Doria afirmou, ainda hoje, que há possibilidades de ter a vacina para aplicação na população já em novembro deste ano. As regras para a distribuição devem ser similares às estabelecidas nas campanhas de vacinação da Influenza.

O governador afirma que, em caso de imprevistos, a aplicação da vacina deve ser prorrogada com, no máximo um ou dois meses.

"Toda vacina, contra o coronavírus ou qualquer outra, quando chega na terceira fase já chega em condições de viabilidade técnica e científica de aprovação. Se não, nem passaria da segunda fase", afirmou Doria para a Rádio Bandeirantes.

No último mês, Doria fez uma publicação em seu Twitter afirmando que, com a CoronaVac, brasileiros não precisarão “disputar” a vacina com o resto do mundo , o que dará ao País autonomia e doses suficientes para aplicação.

    Veja Também

      Mostrar mais