Ataque químico da Síria é ameaça ao mundo e aos interesses dos EUA, diz Obama

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Se EUA lançarem ataque, ação será limitada, sem tropas terrestres e sem objetivo de derrubar Assad, diz presidente

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou nesta sexta-feira que o suposto ataque químico lançado no dia 21 na Síria é uma "ameaça ao mundo" e "aos interesses americanos". O governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, rejeita a acusação e culpa os rebeldes que tentam depô-lo pelo suposto ataque.

EUA: Ataque químico da Síria deixou 1.429 mortos, incluindo 426 crianças

Leia: Saiba os principais pontos de relatório dos EUA sobre o ataque químico

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, faz pausa durante pronunciamento sobre Síria na Casa Branca

Dia 21: Oposição síria acusa governo de matar centenas em ataque químico

Galeria de fotos: Veja imagens do suposto ataque químico na Síria

Reiterando que ainda não tomou uma decisão final sobre um ataque militar de retaliação, o líder americano disse que, se os EUA lançarem qualquer ofensiva, será limitada e sem tropas terrestres. O objetivo, segundo Obama, não é forçar uma mudança de regime na Síria, mas punir Assad por violar normas internacionais relacionadas ao uso de armamento não convencional.

Assista: Vídeos mostram vítimas de suposto ataque químico na Síria

Saiba mais sobre as armas químicas da Síria: Irã ajudou a produzir arsenal

Em pronunciamento feito após o secretário de Estado americano, John Kerry, dizer que o ataque deixou 1.429 mortos (incluindo 426 crianças), Obama reconheceu que o mundo está cansado de guerra. Mas, disse, os EUA têm uma obrigação "como um líder mundial" de fazer os países prestarem contas se violarem normas internacionais.

Alerta: Assad diz que eventual intervenção militar dos EUA fracassaria na Síria

Na quinta-feira, o Parlamento britânico rejeitou que o governo de David Cameron se unisse a qualquer ofensiva militar com os EUA. Nesta sexta, porém, a França afirmou que apoia os EUA na ideia de punir o governo Assad.

Após rejeição britânica: França apoia EUA sobre ação militar na Síria

AP
Sírios tentam identificar corpos depois de suposto ataque químico em Arbeen, subúrbio da Síria (21/8)

WPost: Obama considera ataque limitado contra Síria após armas químicas

Apesar de afirmar que tem uma forte preferência por uma ação multilateral, Obama ressaltou que atualmente há uma "incapacidade do Conselho de Segurança da ONU de avançar", referindo-se aos vetos da Rússia e da China a qualquer tentativa de punição ao regime sírio. "Não queremos que o mundo fique paralisado", disse.

Os EUA divulgaram nesta sexta-feira um relatório de inteligência para apoiar sua acusação de que o regime sírio foi responsável pelo ataque. Citando o relatório, o secretário de Estado afirmou que as forças de Assad se prepararam durante dias para realizar a ação, com oficiais do regime tendo estado em campo com três dias de antecedência.

Entenda: Saiba o que é o sarin, arma química supostamente usada na Síria

Também de acordo com Kerry, os EUA sabem que os foguetes com armamento químico foram lançados de áreas controladas pelo regime, com uma autoridade graduada de Damasco tendo confirmado o uso de armamento não convencional e expressado temor de que isso fosse descoberto.

Inspetores de armas químicas da ONU estão na Síria investigando o incidente e devem sair do país no sábado, quando está previsto que transmitam ao secretário-geral da instituição, Ban ki-moon, algumas de suas conclusões. A equipe entregará para testes em laboratórios na Europa as amostras que coletaram. Kerry, porém, afirmou que os EUA já têm os fatos, acrescentando que nada que os inspetores da ONU encontrarem pode dizer algo novo ao mundo.

Veja imagens da guerra síria desde o início deste ano:

Família síria acena a parentes após entrar em ônibus em direção a aeroporto para ir à Alemanha, onde foram aceitos como asilados temporários, em Beirute, Líbano (10/10). Foto: APTanque velho sírio é cercado por fogo após explosão de morteiros nas Colinas do Golan, território controlado por Israel (16/07). Foto: APCombatentes do Exército Sírio Livre carregam suas armas e se preparam para ofensiva contra forças leais a Assad em Deir al-Zor (12/07). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria corre para buscar proteção perto de aeroporto militar de Nairab, em Aleppo (12/06). Foto: ReutersProtesto em Beirute contra a participação do Hezbollah na guerra síria (09/06). Foto: APFumaça é vista no vilarejo sírio de Quneitra perto da fronteira de Israel´(06/06). Foto: APLibanês foi ferido após segundo foguete de rebeldes sírios atingir sua casa em Hermel (29/05). Foto: APRefugiados sírios são abrigados em prédio da cidade turca de Reyhanli, perto da fronteira com a Síria (12/05). Foto: APHomens carregam ferido após explosão em cidade turca perto da fronteira síria (11/05). Foto: ReutersExplosão em cidade turca perto da fronteira com a Síria deixa dezenas de mortos (11/05). Foto: ReutersResidente caminha sobre destroços de prédios em rua de Deir al-Zor, Síria (09/05). Foto: ReutersCombatente do Exército Livre da Síria descansa em pilha de sacos de areia em campo de refugiados (06/05). Foto: APIsrael atacou instalações militares na área de Damasco, acusa Síria (05/05). Foto: BBCReprodução de vídeo mostra fumaça e fogo no céu sobre Damasco na madrugada deste domingo (05/05). Foto: APPresidente da Síria, Bashar al-Assad (D), visita universidade em Damasco (04/05). Foto: APReprodução de vídeo mostra corpos em Bayda, Síria (03/05). Foto: APBombeiros apagam fogo de carro em chamas em cena de explosão no distrito central de Marjeh, Damasco, Síria (30/04). Foto: APReprodução de vídeo mostra bombardeio em Daraya, Síria (25/04). Foto: APDruso carrega retrato do presidente sírio em que se lê 'Síria, Deus protege você', nas, Colinas do Golan (17/04). Foto: APFumaça e carros destruídos na praça Sabaa Bahrat, em Damasco, após explosão de carro-bomba (08/04). Foto: APMembro de Exército da Libertação da Síria segura arma em rua de Deir al-Zor (02/04). Foto: ReutersReprodução de vídeo mostra militantes do Exército Livre da Síria durante combates em Damasco (25/03). Foto: APManifestantes protestam contra Bashar al-Assad em Aleppo, na Síria (23/03). Foto: ReutersMesa de xeque Mohammad Said Ramadan al-Buti, aliado de Assad, é vista após ataque em Damasco (21/03). Foto: APSírio vítima de suposto ataque químico recebe tratamento em Khan al-Assal, de acordo com agência estatal (19/03). Foto: APSírias são vistos perto de corpos retirados de rio perto de bairro de Aleppo (10/03). Foto: APReprodução de vídeo mostra soldado do governo sírio morto em academia de polícia em Khan al-Asal, Aleppo (03/03). Foto: APHomem chora em local atingido por míssil no bairro de Ard al-Hamra, em Aleppo, Síria (fevereiro). Foto: ReutersMembro do Exército Livre da Síria aponta arma durante supostos confrontos contra forças de Assad em Aleppo (26/02). Foto: ReutersMembros de grupo islâmico seguram armas durante protesto contra regime em Deir el-Zor (25/02). Foto: ReutersMorador escreve em lápide nome de neta morta em ataque contra vila em Idlib, Síria (24/02). Foto: APChamas e fumaça são vistas em local de ataque no centro de Damasco, Síria (21/02). Foto: APRebeldes do Exército Livre da Síria preparam munições perto do aeroporto militar de Menagh, no interior de Aleppo (25/01). Foto: ReutersRebeldes da Frente al-Nusra, afiliada à Al-Qaeda, seguram sua bandeira no topo de helicóptero da Força Aérea da Síria na base de Taftanaz (11/01). Foto: APCrianças sírias viajam em caminhonete em Aleppo (02/01). Foto: Reuters

Secretário da Defesa: EUA estão prontos para lançar ataque contra a Síria

Vídeos que teriam sido feitos nos locais do suposto ataque mostram vítimas se contorcendo de dor, com espasmos e mostrando outros sintomas associados a agentes que afetam o sistema nervoso.

Navios de guerra americanos estão posicionados no Mar Mediterrâneo armados com mísseis de cruzeiro, há muito tempo a arma preferida dos presidentes pelo fato de que podem alcançar um alvo a centenas de quilômetros sem necessidade de cobertura área ou de soldados no campo de batalha.

O iminente confronto é a mais recente evolução de uma guerra civil em que Assad de forma tenaz e brutal se agarrou ao poder. De acordo com a ONU, o conflito de mais de dois anos e meio deixou mais de 100 mil mortos, muitos deles como resultado de ataques do governo sírio contra seus próprios cidadãos.

*Com AP e BBC

Leia tudo sobre: euaarmas químicasobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas