Lupi se diz vítima de 'ódio de forças reacionárias'

Após anúncio de demissão do Ministério do Trabalho, dirigente do PDT divulgou nota oficial para explicar saída

iG Brasília |

Carlos Lupi divulgou nota oficial sobre seu pedido de demissão do Ministério do Trabalho. Ele acertou a renúncia após reunião com a presidenta Dilma Rousseff na tarde deste sábado. "Faço isto para que o ódio das forças mais reacionárias e conservadoras deste País contra o Trabalhismo não contagie outros setores do governo", diz. "Saio com a consciência tranquila do dever cumprido", concluiu.

Leia a íntegra da nota oficial abaixo:

Tendo em vista a perseguição política e pessoal da mídia que venho sofrendo há dois meses sem direito de defesa e sem provas; levando em conta a divulgação do parecer da Comissão de Ética da Presidência da República – que também me condenou sumariamente com base neste mesmo noticiário sem me dar direito de defesa -- decidi pedir demissão do cargo que ocupo, em caráter irrevogável.

Faço isto para que o ódio das forças mais reacionárias e conservadoras deste país contra o Trabalhismo não contagie outros setores do Governo.

Foram praticamente cinco anos à frente do Ministério do Trabalho, milhões de empregos gerados, reconhecimento legal das centrais sindicais, qualificação de milhões de trabalhadores e regulamentação do ponto eletrônico para proteger o bom trabalhador e o bom empregador, entre outras realizações.

Saio com a consciência tranquila do dever cumprido, da minha honestidade pessoal e confiante por acreditar que a verdade sempre vence.

Carlos Lupi

Ministro do Trabalho e Emprego

    Leia tudo sobre: Crise no Trabalho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG