Fernando Pimentel se encontra com Dilma para explicar suspeitas

Pela 1ª vez, ministro estava abatido. Sua consultoria está no centro de uma série de suspeitas sobre favorecimento a empresas

AE |

selo

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, se reuniu no início da tarde de hoje, por cerca de dez minutos, com a presidenta Dilma Rousseff , para apresentar mais explicações sobre as novas denúncias surgidas na imprensa. A presidente não quer que acusações fiquem sem resposta. Pimentel, pela primeira vez, apresentava-se abatido com o fato de continuar a ser atacado e ter de continuar a se defender. O crescente desgaste de Pimentel já preocupa o Palácio do Planalto, mas auxiliares de Dilma insistem em dizer que ele continua desfrutando da confiança da presidente.

Futura Press
Dilma Rousseff com o então candidato ao senado, Fernando Pimentel durante visita à cidade de Uberlândia (MG) nas eleições de 2010
PT sai em defesa de Pimentel: Ex-desafeto, Rui Falcão sai em defesa de ministro

Cai assessor: Sócio de ministro Pimentel pede demissão da prefeitura de BH

Hoje Pimentel informou ao Planalto que conseguiu localizar o primeiro dono da empresa ETA Bebidas do Nordeste, que produz o refresco de guaraná Guaraeta, que fica em Paulista, região metropolitana de Recife, com quem havia tratado o serviço de consultoria.

O antigo dono havia se mudado para os Estados Unidos e o novo proprietário, para quem a empresa foi vendida, não tinha conhecimento do contrato assinado anteriormente entre Pimentel e a empresa, para elaborar um estudo de mercado. Pimentel informou ainda que o antigo dono poderia ser contatado e confirmaria não só a prestação do serviço como o pagamento de R$ 130 mil.

Apesar de o bombardeio continuar e os problemas se somarem, interlocutores da presidenta Dilma tentam minimizar os fatos e justificar que "ele está trabalhando normalmente" e que "a vida segue". Apresentam como justificativa disto, por exemplo, o fato de o ministro ter participado de reuniões durante toda a tarde no Planalto, em agendas previamente marcadas com Dilma. Informam que, primeiro, ele participou de audiência com Dilma, ao lado do presidente do BNDES e, depois, ao lado do ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, quando discutiram problemas de comércio com a Argentina, levantados pela presidente Cristina Kirchner, durante encontro bilateral na semana passada, em Caracas.

Para poder manter a conversa reservada com Pimentel, no entanto, Dilma avisou ao ministro para chegar mais cedo ao Planalto, pouco antes da audiência com o BNDES marcada para as 15 horas, para que eles pudessem conversar a sós. A persistência da imprensa em publicar novas matérias envolvendo Pimentel aumentou o nível de tensão no Palácio do Planalto. Isso não significa, no entanto, que o Pimentel esteja com o pé fora do governo. A intimidade que ele desfruta com a presidente tem lhe favorecido, inclusive facilitado a apresentação de explicações. Mas o bombardeio e o abatimento que o ministro começa a apresentar são indicadores de que alguma coisa poderá começar a mudar. Neste momento, no entanto, não há qualquer indício da saída do ministro do governo, embora o próprio Pimentel já tenha afirmado que "tudo tem limite".

Pimentel iria hoje para a Argentina. Mas, por causa das reuniões convocadas pela presidente, adiou a viagem para às 7h30 da manhã de sexta-feira. O seu retorno, no entanto, não será com a presidente Dilma. Pimentel, que tem integrado praticamente todas as viagens da presidente ao exterior, não se juntará à comitiva de Dilma na Argentina, regressando ao Brasil, na própria sexta-feira, no final do dia.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG