'Não sabíamos de nada', diz Marco Aurélio Mello. Zavacki e Lewandowski afirmaram que também foram surpreendidos

O ministro Marco Aurélio Mello afirmou no início da tarde desta quinta-feira (29) que foi “pego de surpresa” com o anúncio do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, de se aposentar em junho. “Não sabíamos de nada. Pelo menos eu não tinha conhecimento de que ele deixaria o tribunal”, disse o ministro. “Pego de surpresa, o Supremo. Pelo menos um dos integrantes, que sou eu”, complementou Mello.

Barbosa ao anunciar saída do STF:  'Sinto-me honrado e agradeço a todos'

Entenda:  Barbosa vai deixar presidência do STF e se aposentar em junho

 Questionado se era deselegante um ministro não antecipar a colegas de Corte a sua aposentadoria, Mello disse apenas. “A elegância é de um subjetivismo maior. Cada qual tem um a noção a respeito”.


Para o ministro, Barbosa será conhecido apenas como “relator da AP 470, denominada ação do mensalão”. No passado, Mello já havia criticado Barbosa por se dedicar a apenas essa ação penal e travar outras ações no Supremo, como ações diretas de inconstitucionalidade. “Mas foi justamente (o fato de ser ser relator no mensalão) o que o projetou no cenário nacional”, analisou Mello.

Ainda para o ministro, somente questões de saúde explicariam uma aposentadoria precoce do ministro Joaquim Barbosa. Ele deixaria a presidência do STF em novembro, mas poderia ficar na Corte por mais 11 anos, já que ele tem 59 anos e a aposentadoria compulsória de um ministro do STF é aos 70 anos. “Eu não concebo que alguém vire as costas a uma cadeira no supremo espontaneamente”, disse Mello.

Antes da sessão plenária, o vice-presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, disse que não tinha sido comunicado formalmente da renúncia. “Ainda preciso tomar ciência do fato. Não sei de nada, não fui comunicado de nada formalmente, preciso tomar ciência”, afirmou. Teori Zavacki afirmou que também foi surpreendido. “Para mim foi uma surpresa, eu não sabia. Já houve outros casos de ministros renunciando, mas é raro.”

Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.