Clooney e Cristiano Ronaldo podem depor em caso Ruby

Ator e jogador estão na lista de testemunhas aceitas pelo tribunal que julga Berlusconi por prostituição de menores

iG São Paulo |

AFP
George Clooney anda de barco na véspera do início do Festival de Cinema de Veneza, na Itália (30/08)
O ator americano George Clooney e o jogador de futebol português Cristiano Ronaldo estão entre as 214 testemunhas aceitas pelo tribunal que julga o caso Ruby , no qual o ex-premiê da Itália Silvio Berlusconi é acusado de prostituição de menores.

A decisão foi anunciada nesta quarta-feira pelo Tribunal de Milão, que aceitou a longa lista de testemunhas apresentada pelos promotores e pela defesa de Berlusconi. Elas começarão a comparecer às audiências a partir de 2 de dezembro.

Leia também: Marcado por corrupção e escândalos, Berlusconi caiu pela economia

Ao aceitar as testemunhas, o tribunal concorda que seus depoimentos são relevantes. Porém, tanto a defesa quanto a promotoria podem decidir reduzir o número de convocados ou desistir de ouvir alguns deles em meio ao processo.

A Promotoria acusa Berlusconi de ter pago para manter relações sexuais com a marroquina Karima El Mahroug, conhecida como Ruby, quando ela era menor de idade.

O ex-premiê também é acusado de abuso de poder por ter ligado para uma delegacia de Milão em 27 de maio de 2010 para pedir a libertação de Ruby após ser detida por roubo, alegando que era sobrinha do então presidente egípcio Hosni Mubarak. O político nega as acusações.

Na lista das 74 testemunhas apresentada pelos advogados de Berlusconi também estão Elisabetta Canalis, ex-namorada de Clooney, e as ex-ministras Mariastella Gelmini, que chefiava a pasta da Educação, e Mara Carfagna, de Igualdade de Oportunidades, assim como outros parlamentares.

Segundo a defesa, Clooney está na lista porque Ruby teria dito que ele e a ex-namorada estavam presentes em uma das festas do premiê. Em entrevista à revista Time, o ator afirmou que estaria disposto a testemunhar, mas negou ter participado das "festas do bunga-bunga", como são conhecidas as supostas noitadas de Berlusconi com mulheres em sua mansão de Arcores, nos arredores de Milão.

Clooney disse que de fato visitou Berlusconi em Arcore uma vez, mas para falar sobre os problemas da região sudanesa de Darfur. Depois, ele foi convidado para uma festa, mas recusou o convite.

No caso do atacante do Real Madrid, os advogados querem questionar a "credibilidade" de Ruby, que em um dos interrogatórios teria declarado que passou uma noite com Ronaldo, recebendo 4 mil euros.

Com EFE

    Leia tudo sobre: george clooneyberlusconiitáliacaso rubycristiano ronaldo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG