Henrique Capriles, que venceu as primárias da oposição, prometeu que não vai brigar com Chávez, mas sim 'solucionar problemas'

O novo líder da oposição venezuelana, Henrique Capriles , afirmou nesta segunda-feira que está trabalhando na agenda de visitas ao exterior após ter vencido as primárias organizadas pelos adversários do presidente Hugo Chávez, e destacou que sua primeira viagem deve ser para o Brasil.

Leia também: Favorito da oposição da Venezuela se inspira em Lula contra Chávez

Vencedor das primárias da oposição venezuelanas gesticula durante coletiva em Caracas
Reuters
Vencedor das primárias da oposição venezuelanas gesticula durante coletiva em Caracas

Capriles disse que tem pensado em visitar a América do Sul e a Europa e que está "montando" essa agenda de contatos, embora tenha ressaltado que não tem por que transformar essas viagens em algo "midiático".

O político, que se definiu como seguidor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , venceu nas primárias da oposição realizadas no domingo com 1.806.860 votos contra os 867.601 do governador de Zulia, Pablo Pérez.

Saiba mais: Capriles vence primária e será rival de Chávez na eleição presidencial

Ele prometeu levar adiante uma "nova forma" de fazer política e não vai se concentrar em brigar com o presidente Hugo Chávez, a quem enfrentará. "Com a vitória de ontem ficou claro o que o país busca: uma nova liderança, uma nova maneira de fazer política, uma mudança", declarou o governador do Estado de Miranda.

"Não me escolheram para brigar com ninguém, mas para solucionar problemas", comentou, se referindo a Chávez. "Ele vai ter que brigar apenas com o espelho, porque não me interessa brigar. Minha preocupação é enfrentar os problemas, não falar o dia todo", acrescentou o advogado de 39 anos que muitas vezes criticou o presidente por seus longos discursos.

O governador, com uma carreira política iniciada há 14 anos como deputado e depois como prefeito, garantiu que durante sua campanha presidencial percorrerá a Venezuela "como ninguém percorreu em anos, como talvez tenham feito em 98", em alusão à campanha que levou Chávez ao poder pela primeira vez.

Capriles, descendente de uma família judia apesar de se declarar católico, afirma não se preocupar com a grande quantidade de recursos de que o governo dispõe nesse ano eleitoral graças aos altos preços do petróleo.

"Temos que ser sonhadores e otimistas, não impormos barreiras. Estamos construindo uma realidade política distinta no país. Não nos intimidam os recursos e as lealdades que o governo compra", declarou.

Cerca de 2,9 milhões de eleitores participaram das primárias opositoras, nas quais Capriles foi nomeado candidato de unidade para enfrentar Chávez nas eleições presidenciais do próximo dia 7 de outubro.

Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.