Argentina acusa Reino Unido de enviar submarino nuclear às Malvinas

Na ONU, chanceler afirma que embarcação Vanguard, equipada com armas nucleares, foi posicionada perto das disputadas ilhas

iG São Paulo |

Em sua mais recente escalada verbal contra o Reino Unido, a Argentina acusou nesta sexta-feira o governo britânico de ter enviado um submarino com armas nucleares para o Atlântico Sul, perto das Ilhas Malvinas (chamadas de Falklands pelos britânicos), cuja soberania é disputada pelos dois países.

Leia também: Argentina denuncia Reino Unido na ONU, que pede calma por Malvinas

AP
O chanceler argentino, Hector Timerman (E), cumprimenta o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, na ONU em Nova York
Na ONU, o chanceler argentino, Héctor Timerman, afirmou que um submarino chamado de Vanguard, um dos quatro submarinos britânicos armados com mísseis nucleares, foi recentemente enviado como parte do contingente britânico nas Malvinas. "A Argentina tem informações de que, em meio ao recente envio de forças militares às Ilhas Malvinas, eles (britânicos) enviaram um submarino nuclear para transportar armas atômicas ao Atlântico Sul."

Segundo Timerman, a Argentina usou os canais diplomáticos para questionar o Reino Unido sobre introduzir armas nucleares no Atlântico Sul, mas "até agora os britânicos se recusam a dizer se é verdade ou mentira". De acordo com o chanceler, a medida violaria o Tratado de Tlatelolco para a Proibição de Armas Nucleares na América Latina e no Caribe, cujo objetivo é tornar a região uma zona livre de armamento nuclear.

Mais tarde, o embaixador britânico na ONU, Mark Lyall, respondeu à acusação afirmando que não faria comentários "sobre a disposição de armas nucleares e submarinos". "Não sei como ele sabe de submarinos. Eu certamente não sei. O objetivo dos submarinos nucleares é que andem em todo o mundo sem que ninguém saiba onde estão. Esse é o motivo por que são um meio de intimidação."

Em relação ao tratado, Lyall afirmou que não haveria nenhuma violação enquanto os submarinos nucleares se mantivessem fora das águas argentinas. A acusação do chanceler argentino foi feita no mesmo dia em que o governo da presidenta Cristina Kirchner denunciou o Reino Unido perante a ONU pela militarização do Atlântico Sul.

No dia 31, Londres anunciou sua decisão de enviar um moderno destróier às Malvinas. A presidenta Cristina Kirchner havia anunciado na quarta-feira que a denúncia seria apresentada à ONU com o argumento de que o Reino Unido criava um grande risco de segurança ao enviar um de seus navios de guerra mais modernos à região.

Leia também: Reino Unido nega militarização das Malvinas e rejeita discutir soberania

Presença real: Príncipe William inicia trabalho nas Ilhas Malvinas

O governo britânico disse recentemente que o envio do destróier HMS Dauntless, equipado com mísseis antiaéreos, tinha como objetivo substituir outro navio em uma operação de rotina. Além do anúncio sobre o envio da embarcação, na semana passada chegou às ilhas o príncipe William da Inglaterra para uma instrução militar de seis semanas.

A Argentina e o Reino Unido disputaram as ilhas em uma guerra em 1982, e as tensões aumentaram em semanas recentes sobre o status do território localizado na área costeira da Argentina no Atlântico Sul. A soberania das ilhas, consideradas por Londres como território dependente, é reivindicada pela Argentina desde 1833. Em jogo não estão as ilhas em si - onde o número de ovelhas supera o de pessoas -, mas vastas áreas de pesca e potenciais recursos de gás e petróleo em áreas da costa.

Após se encontrar com Timerman em Nova York, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, expressou esperança de que os dois países possam evitar uma escalada na disputa. De acordo com uma nota sobre a reunião, Ban "demonstrou preocupação com a retórica cada vez mais forte" entre os dois governos e ofereceu mediação da ONU na disputa, que foi aceita pelo chanceler argentino.

Grant, por sua vez, disse que não há nada a negociar, porque os kelpers (como são chamados os habitantes das Malvinas) estão sob domínio britânico há nove gerações e não querem mudar. Os ministérios britânicos da Defesa e Relações Exteriores rejeitaram discutir a alegação de Timerman sobre armas nucleares, citando a política do governo de não comentar sobre o posicionamento ou o movimento de submarinos do país.

A Marinha britânica tem 11 submarinos de propulsão nuclear, sete armados com armas convencionais, incluindo mísseis Tomahawk, e quatro com mísseis nucleares Trident, que podem disparar ogivas a mais de 6,4 mil km.

Na semana passada, o jornal britânico Daily Mail relatou que o Reino Unido posicionou um submarino da classe Trafalgar com armas convencionais no Atlântico Sul. "Não buscamos aumentar a retórica. Não começamos a guerra de palavras", disse Grant. "Mas se claramente houver uma tentativa de se aproveitar do aniversário de 30 anos da Guerra das Malvinas, obviamente defenderemos a nossa posição, e faremos isso de forma robusta."

*AP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG