Obama pede ao Congresso autorização para iniciar guerra contra o Estado Islâmico

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente eleito com a promessa de dar um fim as guerras dos EUA enviou carta; líder do senado prometeu resposta rápida

O presidente Barack Obama pediu ao Congresso nesta quarta-feira (11) uma autorização formal para o uso de força militar contra o Estado Islâmico, argumentando que os militantes poderiam representar uma ameaça para o território dos EUA se a sua tomada de poder violenta não for controlada e exortando aos legisladores que "mostrar ao mundo que estamos unidos em nossa determinação de combater essa ameaça."

Hoje: Militares encontram 40 cabeças decapitadas em campo de treinamento no Líbano

Presidente Barack Obama responde a pergunta durante coletiva conjunta com a chanceler alemã Angela Merkel no Salão Leste da Casa Branca em Washington (9/02)
AP
Presidente Barack Obama responde a pergunta durante coletiva conjunta com a chanceler alemã Angela Merkel no Salão Leste da Casa Branca em Washington (9/02)

Ontem: Obama confirma morte de refém norte-americana do Estado Islâmico

Obama, eleito com a promessa de acabar com as guerras dos EUA, está enviando ao Congresso uma proposta de resolução para autorizar o uso de força militar contra a rápida ascensão dos extremistas do Estado Islâmico, que têm tomado áreas de forma violenta entre o Iraque e a Síria e que descaradamente mata reféns dos EUA e de seus aliados em vídeos divulgados online.

Em uma carta de cinco parágrafos aos legisladores que acompanha o projeto de três páginas entregue a The Associated Press, Obama disse que o Estado islâmico "representa uma ameaça para as pessoas e estabilidade do Iraque, da Síria, de todo o Oriente Médio e para a segurança nacional."

Assad: Presidente da Síria diz receber informações sobre ataques liderados pelos EUA

"É uma ameaça pessoal aos EUA e às suas instalações localizadas na região. Os extremistas também são responsáveis pelas mortes dos cidadãos norte-americanos James Foley, Steven Sotloff, Abdul-Rahman Peter Kassig e Kayla Mueller", disse ele, listando os reféns americanos que morreram sob custódia do EI.

"Se não for controlado, o EI será uma ameaça muito além do Oriente Médio, incluindo os EUA". Obama planeja falar sobre o seu pedido da Casa Branca ainda nesta quarta.

A proposta de Obama promove um debate ideológico sobre o que autoridades e o presidente deveriam fazer para controlar as ações dos jihadistas, sob a sombra de vidas americanas perdidas que pairam sobre essas decisões. A confirmação da morte de Kayla Mueller, 26, que fazia trabalho humanitário, na véspera da proposta de Obama acrescentou nova urgência ao ato, enquanto soldados da guerra de longa data no Iraque e Afeganistão tentam precaver parlamentares sobre os malefícios de mais uma campanha militar prolongada.

Cenário: Lei do Estado Islâmico autoriza casamento de meninas a partir dos 9 anos

Kayla Mueller, refém norte-americana do Estado Islâmico, morreu na terça-feira (10 de fevereiro); segundo o grupo terrorista ela teria sido vítima de um bombardeio da Jordânia na Síria . Foto: APEstado Islâmico divulga vídeo onde suposto piloto jordaniano é queimado vivo em gaiola, no dia 3 de fevereiro. Foto: Reprodução/TwitterO jornalista japonês Kenji Goto foi morto pelos extremistas do Estado Islâmico no dia 30 de janeiro. Ele havia viajado para a Síria visando libertar o refém Yukawa. Foto: APImagem obtida por meio de vídeo do Estado Islâmico mostra o japonês Haruna Yukawa (à dir.), que foi decapitado em 24 de janeiro. Ele foi à Síria por ser fascinado por guerras. Foto: APO americano Peter Kassig foi identificado como o homem decapitado pelo Estado Islâmico em 16 de novembro de 2014. Ele era voluntário na Síria. Foto: ReutersNo dia 3 e outubro de 2014, o voluntário inglês Alan Henning foi decapitado pelos terroristas do Estado Islâmico. Foto: Reprodução/YoutubeVídeo mostra decapitação do refém britânico David Haines, que era voluntário na Síria e foi morto em 13 de setembro de 2014. Foto: ReutersImagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostra jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado, no dia 2 de setembro de 2014. Foto: APInsurgentes do grupo jihadista Estado Islâmico divulgaram a decapitação do jornalista americano James Foley em 19 de agosto de 2014. Foto: Reprodução/Youtube

Obama propõe ainda que não haja limitações geográficas para as ações dos EUA na busca pelos militantes extremistas. A autorização abrange o Estado islâmico e "forças ou pessoas associadas", definida como aqueles que lutam em nome ou ao lado dos extremistas "ou qualquer entidade sucessora, intimamente relacionada em hostilidades contra os Estados Unidos ou contra seus parceiros de coalizão."

Especialistas: Estado Islâmico tem perdido espaço com ofensiva dos EUA

A resolução de Obama pretende revogar a autorização de 2002 sobre o trabalho das forças armadas contra a Al-Qaeda no Iraque e Afeganistão, embora Obama diga em sua carta aos legisladores que seu objetivo é refinar e, finalmente, revogar essa autorização também.

A proposta dele proíbe "operações de combate ofensivas e duradouras". A sua ambiguidade é projetada para reduzir o abismo entre os legisladores que se opõem às tropas terrestres e aqueles que dizem que o comandante chefe deve manter essa opção.

"A autorização que proponho iria proporcionar flexibilidade para realizar operações de combate em circunstâncias limitadas, como as operações de resgate envolvendo os EUA ou os países que fazem parte da coligação ou o uso de forças de operações especiais para tomar uma ação militar contra a liderança do EI", disse Obama.

O senador Bob Corker, presidente republicano do Comitê de Relações Exteriores do Senado, disse que apreciou a decisão do presidente em buscar autorização e prometeu rapidamente começar a realizar audiências "rigorosas" sobre o pedido da Casa Branca.

*Com AP

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueeuacasa brancacorker

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas