Jovem mata policiais brancos em retaliação a morte de negros nos EUA

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ismaaiyl Brinsley prometeu na internet atirar em 'porcos' antes de cometer o crime; ele se matou após cometer os assassinatos

Um homem armado que prometeu na internet atirar em dois "porcos" em retaliação à morte de Eric Garner, que foi morto por policiais com uma chave de braço, emboscou dois policiais de Nova York em um carro de patrulha e os matou a tiros antes de correr para uma estação de metrô e se matar, de acordo com as autoridades.

Dia 14: Manifestantes em Washington, NY e Boston protestam contra mortes pela polícia

AP
Investigadores trabalham na cena onde dois agentes da Polícia de NY foram baleados e mortos por jovem negro nos EUA (20/12)

Dia 5: Aumenta revolta contra policial inocentado de morte por sufocamento em NY

Ismaaiyl Brinsley, 28, escreveu em uma conta do Instagram que "Policiais levaram um dos nossos, vamos tirar dois dos deles", segundo dois oficiais da polícia com conhecimento direto sobre o casso. Ele usou as hashtags "Atireemumpolicial", "RIPErivGardner", "RIPMikeBrown" na imagem.

A polícia disse que Brinsley se aproximou da janela do passageiro de um carro da polícia e abriu fogo, atingindo os policiais Rafael Ramos e Wenjian Liu na cabeça. Os oficiais faziam uma patrulha especial com o objetivo de reduzir a criminalidade no Brooklyn.

"Eles foram simplesmente assassinados - se tornaram alvos por causa de seus uniformes , disse o comissário de polícia Bill Bratton, que parecia pálido e visivelmente abalado em uma entrevista coletiva no hospital.

A violência súbita surpreendeu a cidade, provocando uma resposta do presidente Barack Obama, que está de férias, semanas após ser alvo de críticas pela decisão do júri em inocentar os policiais responsáveis pelas mortes de Eric Garner em Nova York e Michael Brown em Missouri. Garner e Brown eram negros; os oficiais que os mataram, brancos.

Manifestantes de todo o país realizaram protestos na sequência das decisões do júri. O sindicato da polícia de Nova York declarou que há "sangue nas mãos" de manifestantes e do prefeito da cidade.

Brinsley saiu correndo após o assassinato. Policiais perseguiram ele até uma estação de metrô nas proximidades, onde ele deu um tiro na cabeça enquanto uma das portas do trem cheio de passageiros se fechava. Um revólver de prata foi recuperado na cena do crime, disse Bratton.

"Este pode ser o meu último post", escreveu Brinsley no texto que incluía a imagem de uma arma de prata. O post teve mais de 200 "likes", mas também muitos comentários reprovando suas declarações.

Reprodução/Facebook
Ismaaiyl Brinsley atirou e matou dois policiais antes de cometer suicídio em NY, de acordo com a polícia dos EUA

Bratton disse que o suspeito fez graves declarações "anti-polícia" online, mas não entrou em detalhes. A família de Brown condenou os tiros em um comunicado publicado na internet por seu advogado.

"Nós rejeitamos qualquer tipo de violência dirigida aos policiais que aplicam a lei. Esse ato não pode ser tolerado. Devemos trabalhar juntos para trazer paz às nossas comunidades", disse a família.

A maioria dos protestos tem sido pacífico, especialmente em Nova York. Bratton disse que a polícia estava investigando se Brinsley havia frequentado qualquer comício ou manifestações e por que ele havia escolhido matar os oficiais.

A última morte a tiros de um oficial de New York City aconteceu em dezembro de 2011, quando o veterano Peter Figoski, 22, foi baleado no rosto ao responder a um relatório de um arrombamento em um apartamento no Brooklyn. O atirador, Orgulho Lamont, foi condenado por assassinato e condenado em 2013 a prisão perpétua.

*Com AP

Leia tudo sobre: euanynova iorquebrattonbrownbrinsley

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas