Peter Kassig fazia trabalho humanitário até que foi capturado pelos terroristas; 20 soldados sírios também foram decapitados

Reuters

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama confirmou neste domingo (16) a morte do refém norte-americano Peter Kassig, dizendo que o trabalhador humanitário foi morto "em um ato de pura maldade" por militantes do Estado Islâmico.

Peter Kassig posa junto a caminhão com suprimentos para refugiados sírios
AP
Peter Kassig posa junto a caminhão com suprimentos para refugiados sírios

"Hoje, oferecemos nossas orações e condolências aos pais e familiares de Abdul-Rahman Kassig, também conhecido por nós como Peter", disse Obama em um comunicado à imprensa no Air Force One enquanto voltava da Austrália.

Leia mais:  Estado Islâmico divulga novo vídeo com suposta decapitação de refém americano

Suposto líder do Estado Islâmico desmente boato sobre morte em áudio

O grupo disse em um vídeo no domingo que havia decapitado Kassig, e advertiu os Estados Unidos que iria matar outros cidadãos norte-americanos "em suas ruas". Os terroristas também comunicaram a decapitação de 20 soldados sírios.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.