Missão no Haiti já custou R$ 1,9 bilhão ao Exército brasileiro

Atualmente, o Brasil mantém 1.910 homens das Forças Armadas na Missão das Nações Unidas. Maioria do contingente é do Exército

Agência Estado | - Atualizada às

Agência Estado

Sem previsão para deixar o Haiti, o Exército brasilero gastou, de abril de 2004 a novembro deste ano, R$ 1,892 bilhão na manutenção da tropa no país arrasado por uma guerra civil e, mais recentemente, por um terremoto . Desse total, a Organização das Nações Unidas (ONU) reembolsou R$ 556,5 milhões para o Tesouro Nacional. Os números são do Ministério da Defesa.

Menos 15%: Conselho de Segurança da ONU reduz missão de paz no Haiti

AP
Haitiana é vista com suas duas filhas do lado de fora de tenda em acampamento montado para vítimas do terremoto de 2010 (21/12)

2011: Dois anos após terremoto, construção de novo Haiti continua no papel

Na prática, um gasto de R$ 1,3 bilhão líquido em recursos do Brasil. Em 2004, o governo Lula justificou que a participação na missão de paz da ONU era uma forma de garantir um assento permanente do Brasil no Conselho de Segurança, o que não ocorreu.

Atualmente, o Brasil mantém 1.910 homens das Forças Armadas na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah). A maioria do contingente brasileiro é do Exército. Ainda há militares da Aeronáutica (30 homens da Força Aérea Brasileira) e da Marinha (200 fuzileiros navais). A meta para 2013 é reduzir o efetivo para 1,2 mil militares, mesmo número do início da operação, em 2004 - o acréscimo ocorreu após o terremoto de 2010.

Auxílio: Tropas brasileiras socorrem vítimas de tempestade tropical Isaac no Haiti

Relembre: Mais de dois anos após tremor, casa ainda é sonho para haitianos

A redução da tropa de forma "responsável", nas palavras do ministro da Defesa, Celso Amorim, é respaldada por uma resolução da ONU, de outubro. No começo deste mês, o presidente do Haiti, Michel Martelly, escreveu uma carta de duas páginas implorando à presidente Dilma Rousseff para negociar a manutenção do efetivo, argumentando que ainda não conseguiu formar uma polícia nacional para deter o avanço de gangues.

    Leia tudo sobre: haitiexército brasileirominustah

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG