Em meio a protestos, Putin toma posse como presidente da Rússia

Milhares de policiais são colocados nas ruas para impedir manifestações contra o líder; pelo menos 120 foram detidos

iG São Paulo |

O novo presidente da Rússia, Vladimir Putin, tomou posse nessa segunda-feira durante uma cerimônia em Moscou enquanto milhares de policiais tentavam impedir protestos de centenas de manifestantes nas ruas da capital e de cidades como São Peterburgo. Conforme o esperado, Putin indicou o ex-presidente Dmitri Medvedev para o cargo de primeiro-ministro.

Leia também: Russos protestam contra retorno de Putin à presidência

AP
O presidente da Rússia, Vladmir Putin, e seu antecessor no cargo, Dmitri Medvedev, participam de cerimônia de posse em Moscou

Putin, 59 anos, foi presidente da Rússia de 2000 a 2008, quando passou a ser premiê, cargo que ocupou até agora. Como o novo mandato é de seis anos, ele estará no poder até 2018, quando poderá tentar a reeleição. “Considero que servir esta nação é o sentido da minha vida”, afirmou Putin, diante de cerca de três mil convidados.

Durante a cerimônia, Putin garantiu estar comprometido com a democracia. “Queremos e vamos viver em um país democrático, onde todos têm liberdade e oportunidade para aplicar seu talento, seu trabalho e sua energia”, afirmou. “Queremos e vamos viver em uma Rússia bem-sucedida, respeitada no mundo como um parceiro confiável, aberto e honesto.”

Em meio a um forte esquema de segurança montado no centro de Moscou, pelo menos mil opositores tentaram protestar durante o trajeto seguido de carro pelo presidente. Muitos dos manifestantes usavam laços brancos, um símbolo do movimento anti-Putin. Pelo menos 120 foram detidos, incluindo o líder da oposição Boris Nemtsov.

Apesar de denúncias de fraudes feitas por observadores internacionais, Putin foi declarado vencedor da eleição com 64% dos votos. Mas os manifestantes não reconheceram a legitimidade do resultado oficial.

No domingo, um protesto contra a posse de Putin reuniu mais de 20 mil manifestantes. Houve violência quando alguns opositores tentaram marchar até o Kremlin, sendo atingidos por golpes de bastão de policiais, que fizeram mais de 400 detenções.

AP
Policiais detêm manifestante anti-Putin em São Petersburgo, na Rússia
Medvedev se despediu da presidência com um discurso curto. “Trabalhei como prometi que faria ao tomar posse: aberta e honestamente, de acordo com o interesse das pessoas, fazendo todo o possível para que elas fossem livres e olhassem com confiança para o futuro”, afirmou.

Como prometido há meses, Putin indicou Medvedev para ocupar o cargo de primeiro-ministro, promovendo uma troca de posição entre os dois. O Parlamento votará a indicação na terça-feira, mas deve aprová-la, já que o partido dos dois, Rússia Unida, domina a maior parte das cadeiras.

Participaram da cerimônia o ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev, o ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi, amigo de Putin, bem como os quatro candidatos que perderam a eleição. A mulher de Putin, Lyudmila, que fez poucas aparições públicas nos últimos anos, também estava presente.

Com AP

    Leia tudo sobre: putineleição na rússiarússiamedvedevrússia unida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG