Agência da ONU cogita energia nuclear para combater Aedes aegypti

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A técnica tem sido utilizada com sucesso há mais de 50 anos com insetos que comprometem a agricultura

Agência Brasil

Uma das medidas pensadas para combater o mosquito é a Técnica do Inseto Estéril
iStock
Uma das medidas pensadas para combater o mosquito é a Técnica do Inseto Estéril

Em resposta à epidemia do zika vírus na América Latina, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) realiza este mês uma reunião para tratar do uso de técnicas nucleares para o controle de mosquitos. O encontro deve acontecer nos dias 22 e 23 de fevereiro em Brasília, conforme anunciou o diretor-geral da entidade, Yukiya Amano.

Uma das medidas a serem discutidas é a adoção da chamada Técnica do Inseto Estéril, um tipo de controle de peste que utiliza radiação ionizante para esterilizar insetos machos, produzidos em larga escala em instalações especiais. Segundo a AIEA, a estratégia tem sido utilizada com sucesso em todo o mundo há mais de 50 anos para o controle de diversos insetos que comprometem a agricultura.

Durante o evento, em Brasília, especialistas de países como China, México, Suécia, Tailândia, Trinidad e Tobago, Estados Unidos e Brasil, além de técnicos da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), vão desenvolver um roteiro para o controle da população de Aedes aegypti na região a curto e médio prazo.

Até o momento, o zika vírus foi identificado em 23 países das Américas. Há, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), fortes indicativos de que a infecção esteja associada ao aumento de casos de malformação congênita em bebês e da Síndrome de Guillain-Barré.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas