Tribunal do júri será responsável por decidir se o ex-goleiro do Flamengo e outros réus são culpados pelo sequestro, cárcere privado e morte de Eliza Samudio, em 2010

Aproximadamente dois anos e quatro meses após o desaparecimento da jovem Eliza Samudio, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) marcou para as 9h do dia 19 de novembro deste ano o início do julgamento do goleiro Bruno e de mais quatro réus denunciados pela morte da jovem de 25 anos. A data foi marcada na última sexta-feira (05) pela juíza Marixa Rodrigues, do Tribunal do Júri de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, onde o caso será julgado.

Relembre como foi o caso
Veja as noticícias relacionadas ao crime 

Bruno chora em audiência que investigava caso de extorsão contra Eliza Samudio
AE
Bruno chora em audiência que investigava caso de extorsão contra Eliza Samudio

O goleiro Bruno Fernandes, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola estão presos e irão a júri popular pelo desaparecimento e morte de Eliza Samudio. A ex-mulher de Bruno Dayanne Souza, a ex-namorada Fernanda Gomes, respondem em liberdade por sequestro e cárcere privado do filho de Eliza. Fernanda também responderá em liberdade pelo sequestro e cárcere privado de Eliza.

Todos vão a júri popular porque os crimes que praticaram são conexos ao de homicídio. Outro réu no processo e primo de Bruno,  Sérgio Rosa Sales foi morto em agosto deste ano .

A juíza ainda determinou o desmembramento do processo em relação aos réus Elenilson Vítor da Silva e Wemerson Marques de Souza - o Coxinha -. A data do julgamento desses dois réus ainda será marcada.

Ainda não foram divulgados outros detalhes do julgamento. Na sentença em que decidiu pelo julgamento pelo tribunal do júri, a juíza afirmou há provas da existência do crime e suspeita de que os acusados sejam os autores das infrações a eles atribuídas pelo Ministério Público. Para justificar a manutenção da prisão de Bruno, Bola e Macarrão, a magistrada alegou que “os delitos de sequestro e cárcere privado, homicídio qualificado e ocultação de cadáver contam com detalhes sórdidos e ultrapassam os limites da crueldade, geram perplexidade e intranquilizam a sociedade”.

Segundo o TJMG, o processo tem atualmente 38 volumes, com 9456 páginas. Mais de 50 advogados já atuarem neste processo. Bruno Fernandes e Luiz Henrique respondem por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e uso de métodos que dificultam a defesa da vítima). Marcos Aparecido dos Santos responde por homicídio duplamente (meio cruel e sem permitir defesa da vítima), qualificado e ocultação de cadáver. Dayane Rodrigues e Fernanda Gomes respondem por sequestro e cárcere privado.

Um outro primo do goleiro, um adolescente de 17 anos que foi o primeiro a assumir o crime, já foi condenado a cumprir medida socioeducativa por período indeterminado por envolvimento no caso. Além disso, Bruno e Macarrão também foram condenados pela Justiça do Rio de Janeiro por cárcere privado e lesão corporal contra a jovem .

Os acusados de participar do crime em audiência, em Minas Gerais, em 2011
AE
Os acusados de participar do crime em audiência, em Minas Gerais, em 2011

Sumiço de Eliza

O goleiro é acusado de matar a jovem com quem manteve um relacionamento extraconjugal. A jovem está desaparecida desde 4 de junho, quando deixou um hotel na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio, onde estava hospedada, e foi para o sítio do atleta, no município de Esmeraldas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG). Eliza viajou para o local com o filho de quatro meses, fruto da relação com Bruno. O jogador, no entanto, não concordava em assumir a paternidade da criança.

Segundo amigos da jovem, Eliza teria ido ao sítio do atleta rubro-negro para tentar chegar a um acordo sobre a briga na Justiça a respeito do reconhecimento do filho. No dia 24 de junho, a polícia recebeu denúncias de que a mulher havia sido espancada e morta no sítio. A informação anônima dizia ainda que o bebê de quatro meses estava na propriedade.

Baseado na denúncia, a polícia foi ao local, mas não encontrou a criança. A ex-mulher de Bruno Dayanne do Carmo Souza, a princípio, tentou negar que o bebê estava no sítio. Um funcionário do imóvel, conhecido como Coxinha, entretanto, acabou confessando ter recebido a criança da mulher de Bruno na margem da rodovia BR-040 (Belo Horizonte-Sete Lagoas) e o repassado a um terceiro.

Este deixou o bebê com uma senhora no bairro Liberdade, periferia de Contagem, onde ele foi encontrado no dia 26 de junho. O pai de Eliza, Luiz Carlos Samudio, conseguiu a guarda do neto e o levou para sua casa, em Foz do Iguaçu (PR). No dia 8 de julho, a mãe de Eliza, Sônia Fátima Moura, conseguiu a guarda do neto na Justiça e levou a criança para Campo Grande (MS).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.