Disco clássico de Raul Seixas, "Gita" chega aos 40 anos e ganha homenagem

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Cantores como BNegão e Fernando Catatau participam de tributo ao álbum em show em São Paulo

Para comemorar o aniversário de 40 anos do disco "Gita", 13 músicos vão se reunir na choperia do Sesc Pompeia, em São Paulo (em 30/10 e 1/11), para relembrar o disco mais famoso lançado pelo cantor e compositor Raul Seixas.

Fernando Catatau. Foto: DivulgaçãoZé Geraldo. Foto: DivulgaçãoXuxa Levy. Foto: Edu Pimenta/Divulgação

Com o cuidado de manter aos arranjos originais criados por Raul em 1974, os cantores BNegão, Fernando Catatau (Cidadão Instigado), Maurício Pereira, Rubi e Zé Geraldo vão dar um frescor às letras da obra mais popular de Raulzito - também conhecido como Maluco Beleza ou Pai do rock brasileiro.

Xuxa Levy, idealizador do espetáculo, avalia a importância não apenas do disco, mas da obra deixada por Raul. "Ele conseguia fazer a música que o povo queria, talvez por falar de uma forma tão simples coisas que são tão profundas e difíceis de falar, como relações humanas, espiritualidade e problemas do País", diz ao iG.

Divulgação
Raul Seixas nos anos 1980

O cantor Zé Geraldo vai interpretar "O Trem das 7", "Medo da Chuva" e "Gita", sendo que esta última será cantada por todos os convidados.

"A obra do Raul atravessa gerações e, com certeza, vai ficar por muitos anos", diz. "É poética, tem polêmica, é instigante em alguns aspecots. O Raul é o melhor do meu tempo", destaca Zé.

Fernando Catatau dará voz à "S.O.S.", "Um Som Para Laio" (que entrou para a trilha sonora da novela "O Rebu", composta por Raul e Paulo Coelho, também em 1874) e "Gita".

"Raul é Raul, não tem outro igual", defende. "Ele usava simplicidade nas músicas, mas sabia muito bem o que estava fazendo. Não era só cantor, ele atuava cantando, ele sabia usar a voz e se inspirar nos grandes (artistas)", completa Catatau.

Raul Seixas nasceu em Salvador, na Bahia, em 1945. Morreu em São Paulo, aos 44 anos, em 1989, vítima de uma pancreatite aguda e de uma parada cardíaca. O cantor ainda sofria de diabetes e tinha problemas com alcoolismo.

"Gita" foi o trabalho de estúdio mais vendido da carreira de Raul (600 mil cópias que lhe renderam um disco de ouro), e teve a parceria do escritor Paulo Coelho na composição da maioria das letras, como "Sociedade Alternativa", "Super Heróis" e a própria "Gita".

O nome vem de "Bhagavad-Gita", texto religioso hindu que influenciou os compositores. No período, Seixas e Coelho também estavam envolvidos com a fundação da utópica Sociedade Alternativa e com o ocultismo propagado pelo britânico Aleister Crowley.

Nos shows em São Paulo, BNegão, Fernando Catatau, Maurício Pereira, Rubi e Zé Geraldo cantam acompanhados por Xuxa Levy (teclados), Carneiro Sândalo (bateria), Tuco Marcondes (guitarra), Fernando Nunes (baixo), Will (trombone), Maurício Caruso (violões), Sidmar Vieira (trompete), Denilson Martins (sax e flauta) e Gustavo Cék (percussão).

Ainda não há previsão sobre o espetáculo ser levado a outras cidades.

Sesc Pompeia apresenta "Gita - 40 anos"
Choperia do Sesc Pompeia (r. Clélia, 93)
Dias 31/10 e 1/11, às 21h30
Ingressos: R$ 5 (trabalhador do comércio e matriculado no Sesc), R$ 15 (meia-entrada) e R$ 30 (inteira). Venda online a partir de 21 de outubro, às 17h30; Venda presencial nas unidades do Sesc em SP a partir de 22 de outubro, às 17h30.

Leia tudo sobre: GitaRaul Seixasdiscoshowmúsicaigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas