Cientistas propõem nova forma de combate ao aquecimento global

Estudo da Nasa mostrou que combate ao aumento das temperaturas pode também beneficiar saúde e agricultura

iG São Paulo |

Uma equipe internacional de pesquisadores apresentou uma proposta de como atrasar o aquecimento global no curto prazo, evitando milhões de mortes por causa da poluição do ar. A solução é parar de focar tanto no corte de emissões de carbono e se preocupar com a fuligem e as emissões de metano Como se não fosse o bastante, a proposta, segundo a equipe, é economicamente viável, renderia mais dinheiro do que seu custo.

O estudo liderado por Drew Shindell, da Nasa, descobriu que focando em 14 medidas de controle de poluição atmosférica o aquecimento global seria reduzido em 0,5ºC em 2050, além de aumentar a produção agrícola mundial por até 135 milhões de toneladas por safra e evitar milhares de mortes prematuras a cada ano. Estudos afirmam que mesmo com cenários de baixo carbono o aquecimento seria de 2ºC nos próximos 60 anos.

Entre as 14 medidas estão: a a captura de metano de aterros sanitários e minas de carvão, limpeza de fogões e motores diesel, e mudando algumas técnicas de agricultura. O objetivo é cortar as emissões de duas poderosas causas do aquecimento global – metano e fuligem. O metano é produzido por aterros sanitários, pecuária e geração de energia. A fuligem vem da queima de carvão, madeira e outros combustíveis. Eles afirmam que a redução de fuligem poderia salvar vidas.

Leia mais:
Como ocorre o aquecimento global?
Meteorologistas preveem 2012 entre os 10 mais quentes desde 1850

A partir da análise de modelos de computador de 400 medidas diferentes de controle de poluição, os pesquisadores descobriram que mais vale controlar o metano e a fuligem que as emissões de dióxido de carbono. O estudo vai contra as atuais medidade de combate ao aquecimento global, pois maioria dos governos está focada em restringir as emissões de dióxido de carbono – orindo dos combustíveis fósseis -, o principal gás causador do efeito estufa.

"Nós mostramos que ao implementar a redução de emissões específicas escolhidas para maximizar os benefícios climáticos também teríamos um importante resultado de ‘ganha-ganha’ para a saúde e para a agricultura”, disse Drew.

(Com informações da AP)

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG