Astrônomos descobrem o planeta mais parecido com a Terra já encontrado

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Kepler-186f orbita uma estrela-anã vermelha a 500 anos-luz da Terra e tem boa chance de ter água líquida em sua superfície

Astrônomos descobriram o que dizem ser o planeta mais parecido com a Terra já detectado — um mundo distante e rochoso que é similar em tamanho ao nosso planeja e existe na zona Goldilocks, onde não é muito quente ou muito frio para a vida.

2012: Astrônomos descobrem planeta do tamanho da Terra em sistema vizinho

AP
Ilustração de artista da Nasa mostra planeta do tamanho da Terra apelidado de Kepler-186f orbitando estrela a 500 anos-luz

2013: Astrônomos põem em xeque descoberta de planeta parecido com a Terra

A descoberta, anunciada nesta quinta-feira, entusiasmou os caçadores de planeta que varreram a galácia da Via Láctea durante anos para encontrar potenciais pontos habitáveis fora do sistema solar.

"Esse é o melhor caso para um planeta habitável já encontrado. Os resultados são simplesmente sólidos", disse em um email o astrônomo da Universidade da Califórnia (Berkeley) Geoff Marcy, que não teve nenhum papel na descoberta.

O planeta foi detectado pelo Kepler, telescópio em órbita da Nasa (a agência espacial americana), que examina os céus por mudanças súbitas em iluminação que indicam que um planeta está cruzando em frente de uma estrela. A partir dessas mudanças, os cientistas podem calcular o tamanho de um planeta e fazer certas inferências sobre como ele é.

O objeto recém-descoberto, apelidado de Kepler-186f, circula uma estrela-anã vermelha a 500 anos-luz da Terra na constelação de Cygnus. Um ano-luz é quase 10 trilhões de quilômetros.

O planeta é cerca de 10% maior do que a Terra e tem boa chance de ter água líquida — um ingrediente essencial para a vida — em sua superfície, dizem os cientistas. Isso porque ele reside na borda externa de uma zona de temperatura habitável ao redor de sua estrela — o doce local onde lagos, rios ou oceanos podem existir sem congelar ou evaporar totalmente.

O planeta provavelmente se aquece com o brilho laranja-vermelho de sua estrela e provavelmente é mais frio do que a Terra, com uma temperatura média ligeiramente acima do ponto de congelamento, disse Marcy. A descoberta foi detalhada na edição da revista científica Science, que será lançada na sexta-feira (18).

Veja as imagens mais marcantes do espaço no ano passado:

Em novembro, a Nasa divulgou esta imagem espetacular de Saturno, capturada pela sonda Cassini. Foto: Nasa/CassiniO clipe no qual o astronauta canadense e comandante da Estação Espacial Internacional Chris Haldfield canta 'Space Oddity', de David Bowie, foi memorável. Foto: Nasa/Chris HaldfieldEm 2013 a Nasa celebrou um ano de descobertas do jipe-robô Curiosity em Marte. Foto: Nasa/CuriosityA nebulosa Cabeça de Cavalo é objeto de uma das mais famosas imagens feitas pelo telescópio Hubble. Foto: Nasa/HubbleO vórtex giratorio do pólo norte de Saturno lembra uma rosa vermelha nesta imagem feita pela sonda Cassini, da Nasa. Foto: Nasa/CassiniUma das imagens mais impressionantes feitas pelo comandante Chris Hadfield a bordo da Estação Espacial Internacional mostra uma formação rochosa na Amazônia. Foto: Nasa/Chris HadfieldEstas formas azuis, que lembram gotas de chuvam são na verdade dunas de areia na cratera Copernicus, em Marte. Foto: Nasa/ Mars Reconnaissance OrbiterEm março, cientistas da missão Planck divulgaram este mapa que apresenta o universo a partir da captação da "luz mais antiga" no céu. Foto: ESA / Planck MissionOutra imagem capturada por Chris Hadfield mostra a estrutura de Richat, também conhecida como Olho da África, na Mauritânia. Foto: Nasa/Chris HadfieldEsta imagem mostra o tufão Haiyan se aproximando das Filipinas em novembro. Foto: JMA / EumetsatEsta imagem mostra a visualização em 3D do monóxido de carbono frio na galáxia NGC 253, também conhecida como Galáxia do Escultor. Foto: ALMADentro da janela de observação Cupola, na Estação Espacial Internacional, o astronauta americano Chris Cassidy fotografa a terra. Foto: NasaEntre 12 e 14 de maio, o Sol emitiu quatro erupções intensas de radiação. Foto: Nasa / SDOEsta imagem colorida da superfície de Mercúrio foi compliada a partir de imagens captadas pela sonda Messenger, da Nasa, durante seu primeiro ano em órbita. Foto: Nasa/MessengerEsta imagem mostra uma coluna espessa de fumaça, resultado de incêndios florestais que atingiram o Estado do Colorado. Foto: Nasa/ISSNo dia 14 de dezembro, a China pousou com sucesso um veículo na Lua - o primeiro pouso lunar em 37 anos. Foto: CSNA

A pesquisadora-chefe Elisa Quintana, do Centro de Pesquisa Ames da Nasa, disse considerar o planeta como um "primo da Terra" mais do que um "gêmeo", porque ele circula uma estrela que é menor e mais escura do que o nosso sol. Enquanto a Terra completa em 365 dias seu percurso ao redor do sol, esse planeta completa a órbita ao redor de sua estrela a cada 130 dias.

Desde seu lançamento em 2009, o Kepler confirmou 961 planetas, mas apenas algumas dezenas deles estão em uma zona habitável. A maioria deles são bolas gigantes de gás como Júpiter e Saturno, e não lugares ideais para a vida.

Kepler-186f faz parte de um sistema de cinco planetas, todos com quase o tamanho da Terra. Entretanto, os outros planetas estão muito perto de suas estrelas para possibilitar a vida.

Os astrônomos podem nunca saber com certeza se o Kepler-186f pode suportar vida. O planeta está muito longe mesmo para os telescópios espaciais da próxima geração da Nasa, como o James Webb, que deve ser lançado em 2018, para ser estudado em detalhe.

*Com AP

Leia tudo sobre: astronomiakepler 186fkeplernasa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas