Nova descoberta reforça teoria que dinossauros tinham sangue quente

Cientistas descobriram que ruminantes têm as mesmas marcas ósseas que dinossauros, derrubando um dos pilares da hipótese que os animais extintos tinham sangue frio

Maria Fernanda Ziegler iG São Paulo | - Atualizada às

AFP
Novo estudo afirma que dinossauros poderiam ter sangue quente e viver em várias partes do globo

Pesquisadores do Instituto Catalão de Paleontologia atiraram no que viram e acertaram no que não viram. Ao analisar ossos de ruminantes, eles conseguiram desbancar o índicio mais usados para determinar se um animal é de sangue quente ou sangue frio. Os ossos dos mamíferos de sangue quente apresentavam as mesmas  linhas de interrupção de crescimento observadas nos ossos de dinossauros tidos como de sangue frio, reacendendo um longo debate sobre a possibilidade de alguns dinossauros serem de sangue frio

A possibilidade de que alguns dinossauros tivessem sangue quente cria uma série de mudanças em relação a conceitos sobre a evolução e também distribuição geográfica dos dinossauros. Como não conseguem gerar calor internamente, os animais de sangue frio gastam muito tempo armazenando ou poupando energia externa. Já os animais de sangue quente, que têm metabolismos mais ativos, conseguem manter a temperatura interna relativamente constante. Isso significa que eles são mais ativos e podem viver em climas mais diversos.

Conheça as novas espécies e últimas descobertas sobre os dinossauros

“O fato de que dinossauros ou alguns dinossauros tinham sangue quente implica na possibilidade de eles terem vivido em todas as regiões climáticas”, disse ao iG Xavier Jordana, do Instituto Catalão de Paleontologia e um dos autores do estudo publicado hoje (27) no periódico científico Nature.

Leia mais notícias sobre dinossauros:
Dinossauros gigantes pesavam menos do que se acreditava
Dinossauro gigante tinha mesma temperatura de mamíferos modernos
Dinossauros herbívoros estavam em decadência quando asteroide caiu na Terra
Flatulência de dinossauros contribuiu para aquecimento da Terra

Outra questão muito importante que o novo estudo levanta é sobre a evolução de mamíferos e aves. “O estudo muda também conceitos sobre a endotermia. Até agora, acreditava-se que os primeiros animais de sangue quente surgiram com os mamíferos e as aves, depois dos dinossauros. Portanto, este tipo de fisiologia apareceu de forma mais precoce na evolução das espécies”, disse Jordana.

Tudo por causa de um osso
Os pesquisadores do Instituto Catalão de Paleontologia analisaram ossos de mamíferos ruminantes para descobrir pistas de como o ambiente os afeta os animais atualmente. Eles queriam compreender se houve mudança de crescimento nos animais como resposta às mudanças da temperatura externa, índice de chuva e disposição de água e comida.

A análise mostrou a presença de linhas de interrupção de crescimento, marcas nos ossos que são muito parecidas com os círculos encontrados nos troncos das árvores. Até então, acreditava-se que estas marcas eram encontradas apenas em animais de sangue frio, como peixes, répteis, anfíbios e em fósseis de dinossauros.

Os pesquisadores conseguiram provar que estas marcas nos ossos são mais comuns em mamíferos que em répteis de sangue frio, fazendo cair por terra o sinal usado para determinar se um animal extinto é de sangue frio ou sangue quente.

Além de provocar uma reviravolta em relação aos dinossauros, o estudo também tem importância para a conservação de espécies que habitam o planeta atualmente. “Agora sabemos que o ciclo anual de crescimento também está presente em mamíferos e assim podemos calibrar a cronologia de eventos vitais em animais selvagens, podendo estimar longevidade com base na estrutura interna dos ossos”, disse.

    Leia tudo sobre: dinossaurospaleontologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG