Polícia Federal prende dois suspeitos de incitar crimes na internet

Moradores de Curitiba e Brasília são suspeitos de postar conteúdo de teor racista e de incitar crimes e violência em blog

iG São Paulo |

A Polícia Federal (PF) em Curitiba prendeu nesta quinta-feira (22) dois suspeitos de serem os responsáveis por postagens de mensagens de apologia de crimes graves e de violência, sobretudo contra mulheres, negros, homossexuais, nordestinos e judeus, além da incitação do abuso sexual de menores. Emerson Eduardo Rodrigues e Marcelo Valle Silveira Mello, moradores de Curitiba e Brasília, foram detidos pelos agentes na “Operação Intolerância”.

Leia também: 'Intolerância não tem classe social', diz líder de Grupo Gay

Segundo a PF, o Núcleo de Repressão aos Crimes Cibernéticos da corporação, o Ministério Público Federal e a Ong SaferNet receberam aproximadamente 70 mil pedidos de providências a respeito do conteúdo criminoso da página, um número recorde de participação popular no controle do conteúdo da internet brasileira. Veja abaixo imagens cedidas pela Polícia Federal de parte das buscas realizadas nesta quinta-feira:

Os agentes federais também cumprirão mandados de busca e apreensão nas residências e locais de trabalho dos suspeitos em busca de provas dos crimes. Pelo o que já foi identificado, eles devem responder por crimes de incitação/indução à discriminação ou preconceito de raça, por meio de recursos de comunicação social (Lei 7716/89); incitação à prática de crime (art. 286 do Código Penal) e publicação de fotografia com cena pornográfica envolvendo criança ou adolescente (Lei 8069/90-ECA).

De acordo com a PF, os suspeitos teriam publicado conteúdos de apoio ao atirador Wellington Menezes de Oliveira, que em 2011 atacou a tiros uma escola em Realengo, no Rio de Janeiro , matando doze crianças, bem como à suposta incapacidade da Polícia Federal em localizá-lo e detê-lo.

De acordo com a decisão judicial que decretou a prisão preventiva dos criminosos há "elementos concretos colhidos na investigação demonstram que a manutenção dos investigados em liberdade é atentatória à ordem pública. A conduta atribuída aos investigados é grave, na medida em que estimula o ódio à minorias e à violência a grupos minoritários, através de meios de comunicação facilmente acessíveis a toda a comunidade. Ressalto que o conteúdo das ideias difundidas no site é extremamente violento. Não se trata de manifestação de desapreço ou de desprezo a determinadas categorias de pessoas (o que já não seria aceitável), mas de pregar a tortura e o extermínio de tais grupos, de forma cruel, o que se afigura absolutamente inaceitável.”

    Leia tudo sobre: intolerânciapolícia feredalracismointernet

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG