Passeata contra aumento das tarifas reúne 2 mil em Alagoas

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Policiais militares e agentes de segurança acompanharam a mobilização, que teve tom pacífico e terminou diante da sede do Tribunal de Justiça de Alagoas, no centro de Maceió

Agência Estado

Cerca de 2 mil manifestantes - de acordo com cálculos dos líderes do Movimento Passe Livre (MPL), criado nas redes sociais para protestar contra o aumento das tarifas de ônibus - realizaram no fim da tarde desta terça-feira, em Maceió, uma passeata em protesto contra o reajuste do preço da passagem de coletivos na capital de Alagoas.

Protestos pelo País: Mobilizações se espalham por outras capitais e interior do País

RS: Manifestantes em Porto Alegre pedem redução da tarifa e protestam contra Copa

Dilma sobre os protestos: ‘É próprio dos jovens se manifestarem’

O movimento, que se concentrou na Praça do Centenário, localizada no bairro do Farol, percorreu várias ruas da capital alagoana, carregando cartazes com frases contra o aumento. Policiais militares e agentes da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) acompanharam a mobilização, que teve tom pacífico e terminou diante da sede do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ-AL), no centro da capital. A PM não soube estimar quantos manifestantes - a maioria estudantes - participaram do ato.

Leia também: Protesto em São Paulo tem mais de 30 mil e fecha principais vias da cidade

Governo de São Paulo: Alckmin proíbe balas de borracha em manifestações

O comando da instituição afirmou, no início da tarde, que o objetivo policial era garantir a segurança dos participantes, bem como impedir a depredação do patrimônio público. Ao longo do percurso, manifestantes picharam muros com o nome do movimento. Na cidade, a Associação dos Transportadores de Passageiros do Estado de Alagoas (Transpal) defende um reajuste de 23,91%, elevando o atual valor da passagem de 2,30 para 2,85 reais.

Paraná: Em Curitiba, movimento contra corrupção reúne 5 mil

Ceará: Manifestantes anti-Copa se reúnem em frente ao hotel da seleção em Fortaleza

Tumulto: Em Belo Horizonte, PM dispara bombas de gás contra manifestantes

Por decisão da Justiça e a pedido do Ministério Público Estadual (MPE), o valor atual da tarifa está mantido pelo menos até julho, quando o tema volta a ser discutido entre o Ministério Público Estadual (MPE), Transpal e representantes da prefeitura. O presidente do TJ-AL, desembargador James Magalhães de Medeiros, avisou que, se até o dia 1.º não houver um acordo formalizado, a Justiça decidirá o porcentual de reajuste.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas